Saúde

Complicações após o aborto - hematômetro

Pin
Send
Share
Send
Send


O hematómetro é uma violação do mecanismo natural de remoção do sangue do útero, com o resultado de que começa a acumular-se ali. Na ginecologia, esta doença é bastante rara. Esta condição patológica geralmente ocorre após a curetagem do útero ou parto. Dificuldade na saída de sangue deste órgão é devido à sua contração insuficiente, bem como como resultado do bloqueio do canal cervical com um pólipo ou placenta. A patologia geralmente começa sem nenhum sintoma, então a mulher vai ao hospital se a doença for negligenciada.

As principais causas de

Hematômetro - o que é e por quais razões ele ocorre? Descobrimos que é uma coleção de sangue no útero, na qual a curetagem, causada por aborto, gravidez não desenvolvida e para fins de diagnóstico, é a culpada. Como resultado desta intervenção cirúrgica, apenas a camada superior da mucosa uterina é removida.

As principais causas que levam a um hematômetro são os seguintes fatores:

  • Pólipo do canal cervical. Esta doença é considerada bastante perigosa e geralmente é diagnosticada após quarenta anos. Mas a probabilidade de um pólipo causar hematómetros é muito pequena.
  • Período pós-parto. O aumento do risco de formação de tal patologia após o parto está associado a lesões e rupturas do canal do parto.
  • Um aborto, após o qual não apenas partes do muco podem permanecer no útero, mas também partes do feto. Isso contribui para o aparecimento de tal doença.
  • Raspagem do útero, após o qual o hematómetro ocorre mais frequentemente, como o canal cervical se estreita.
  • Câncer endometrial.

Qual é o perigo desta doença?

Um hematómetro após a curetagem de uma gravidez perdida ou outra intervenção cirúrgica nesta área é muito perigoso não só para a saúde, mas também para a vida de uma mulher. Se você ignorar essa condição e não cicatrizar, a probabilidade de inflamação purulenta, levando à remoção do útero e mais infertilidade, é alta.

A complicação mais perigosa dos hematómetros é a sépsis (envenenamento do sangue), que pode ser fatal.

Os sintomas que aparecem após a curetagem ou a entrega do hematômetro podem ter sintomas característicos, e se uma mulher prestar atenção a eles em tempo hábil, ela pode ser tratada a tempo e evitar complicações sérias.

O hematómetro manifesta-se por fortes dores no abdómen inferior, uma vez que a pressão arterial é aplicada às paredes do útero. Além disso, uma mulher deve ser alertada pelo fato de que a descarga menstrual ou pós-parto parou abruptamente. Se eles continuarem, eles terão uma cor não natural e um cheiro desagradável.

À medida que a doença progride sem hematoma não tratado, os sintomas podem ser os seguintes: calafrios e febre. Se uma infecção começa a se desenvolver no útero, a dor severa é sentida no cóccix e lombar. Neste caso, é necessário consultar um médico o mais rápido possível, já que no futuro a dor só se intensificará. Nesta fase há um estado febril, a temperatura do corpo salta acentuadamente. A mulher já está se movendo com dificuldade, e ela deve ser hospitalizada urgentemente. Estes são os principais sinais de hematômetros após a curetagem.

Tratamento medicamentoso

O hematômetro que apareceu após a curetagem é tratado em vários estágios. Primeiro, o útero é limpo de sangue acumulado com a ajuda de medicamentos que contribuem para a sua redução. Essas drogas incluem "ocitocina". Este medicamento remove rapidamente o líquido da cavidade uterina e também interrompe o sangramento e alivia a dor.

O médico é obrigado a não eliminar os sintomas, mas a se livrar da principal causa de uma doença como o hematômetro (após a curetagem). O tratamento envolve o uso de drogas como metilergometrina, ergotal, ergotamina, que também contribuem para a redução do útero. Mas deve-se lembrar que esses dispositivos médicos devem ser usados ​​somente sob a supervisão de um especialista, pois eles têm um grande número de complicações e efeitos colaterais.

Para aliviar a condição da mulher, são prescritos os seguintes antiespasmódicos: “No-shpa”, “Spazgan”, “Spazmalgon”. Essas drogas relaxam os músculos uterinos e contribuem para a retirada do sangue acumulado. É também necessário tomar fármacos anti-inflamatórios não esteróides, mais frequentemente sulfonamidas e fármacos do grupo do ácido fenilacético.

Procedimentos instrumentais

Se com uma doença como hematômetro (após a curetagem), o tratamento com medicação não trouxe o resultado desejado, o médico pode prescrever procedimentos especiais pelos quais o sangue acumulado é removido do útero.

A sondagem e a histeroscopia são utilizadas em caso de obstrução grave do canal do útero. Entretanto, se, após a curetagem, o hematômetro for acompanhado pelo desenvolvimento de algum processo infeccioso, tais procedimentos complementam a completa reorganização da cavidade uterina e antibióticos.

A aspiração a vácuo do conteúdo da cavidade uterina também é realizada, isto é, sugando o sangue acumulado desse órgão com um aparelho especial.

Muitas mulheres preferem tratar uma doença como o hematômetro do útero, remédios populares, o que leva às consequências mais adversas. A homeopatia e a fitoterapia só podem ser benéficas como uma terapia calmante e de apoio. O tratamento tradicional não pode ser substituído por tais métodos.

Complicações possíveis

Se, após a curetagem, o hematómetro permanecer sem tratamento, isso pode levar às seguintes complicações graves:

  • endometrite (processo infeccioso-inflamatório que ocorre no útero),
  • piometra (acumulação de pus no útero, acompanhada de inflamação dos ovários),
  • peritonite e pelveoperitonite (um processo infeccioso nos órgãos abdominais),
  • sepse (envenenamento do sangue),
  • infertilidade

Prevenção

Para evitar tal doença, é necessário tratar as seguintes patologias dos órgãos pélvicos no tempo:

  • endometrite,
  • vulvovaginite
  • salpingooforite.

Muitas vezes, as doenças inflamatórias dos órgãos internos levam a aderências, por isso é importante que uma mulher seja registrada em um ginecologista. O médico ajudará a manter a saúde das mulheres sob controle, a promover a escolha correta dos contraceptivos, a fim de evitar a possibilidade de aborto.

Muitas mulheres estão interessadas em saber se o surgimento após hematoma raspado não se torna um obstáculo para a gravidez. O ginecologista não pode ter uma resposta, pois tudo depende das complicações a que essa condição patológica conduz.

Assim, a resposta à pergunta ficou clara: "O que é um hematômetro?" Esta patologia se desenvolve devido à raspagem do útero, e seu tratamento tardio pode levar à morte do paciente. Na prática ginecológica, há muitos exemplos quando uma mulher entra em tratamento intensivo vários dias depois de um aborto ou parto. A razão para isso é o hematômetro, que se desenvolveu devido aos remanescentes do óvulo ou da placenta deixados no útero. Portanto, é extremamente importante cuidar da sua saúde.

Raspagem

A palavra feia e assustadora "raspagem" e a definição estrangeira de "curetagem" da orelha acariciando referem-se ao mesmo procedimento. Envolve a remoção da camada superior do endométrio usando uma ferramenta especial - cureta.

O procedimento pertence à categoria de mini-operações e executa-se estritamente segundo as indicações:

  1. Para identificar doenças.
  2. Como uma medida terapêutica.
  3. Para remover partes do embrião ou das membranas do feto após um aborto auto-abortivo ou sem sucesso.
  4. Para remover resíduos de tecido placentário após o parto.

Quando raspagem diagnóstica, o material resultante é enviado para o estudo. Os resultados dos estudos microscópicos e bacteriológicos nos permitem especificar o diagnóstico e selecionar corretamente o tratamento.

A curetagem ajuda a prevenir o desenvolvimento de infecções e inflamações nos tecidos do útero. É utilizado para fins terapêuticos quando:

  • Endometriose.
  • Polipose.
  • Fibromatose.
  • Os efeitos do desequilíbrio hormonal.
  • E com o crescimento de tumores malignos.

A operação é realizada em um hospital e em nível ambulatorial. No momento em que leva apenas um quarto de hora. O procedimento é doloroso, por isso é realizado com anestesia:

  • Geral (anestesia).
  • Local (com anestesia do colo do útero).
  • Regional (anestesia peridural).

A curetagem é realizada em duas etapas. No primeiro estágio, o colo do útero se relaxa e a instrumentação é introduzida na cavidade uterina. Na segunda etapa, a curetagem real é executada. O procedimento é extremamente desagradável, mas certamente é útil.

Quando adequadamente realizado, leva a complicações com pouca freqüência. No entanto, as conseqüências desagradáveis ​​podem ser sentidas pela dor, temperatura, cãibras e hematometra.

Hematómetro

Esta é uma condição dolorosa, que se desenvolve devido à dificuldade ou impossibilidade do fluxo de sangue da cavidade uterina. Uma característica dela é a interrupção acentuada do fluxo sangüíneo no processo de menstruação ou no pós-operatório. Essa patologia é diagnosticada na prática ginecológica muito raramente, principalmente em meninas jovens.

O desenvolvimento do processo patológico está conectado:

  • Com distúrbios funcionais (má atividade contrátil do miométrio, distúrbios hemostáticos).
  • Com patologia orgânica congênita e patologias adquiridas (pólipos e estenoses do canal cervical e outros problemas).

A prática mostra que, na maioria dos casos, essa patologia se desenvolve como uma complicação após o parto. O segundo lugar é ocupado pelo hematômetro após um aborto e intervenções cirúrgicas.

Essa patologia é diagnosticada na maioria dos casos apenas no estágio de infecção bacteriana dos tecidos uterinos e no desenvolvimento de piometra, isto é, inflamação supurativa. Isso, por sua vez, complica o tratamento e piora significativamente a condição do paciente.

Os hematómetros podem fluir independentemente ou ser combinados com hematocolpos (acumulação de sangue na vagina) e acumulação de sangue nas trompas de falópio (hematossalpinge).

O principal fator que deve alertar uma mulher é a interrupção abrupta do sangramento. Para qualquer sangramento, o processo desaparece lentamente. Caso contrário, é necessário, o mais rapidamente possível, contactar um ginecologista. Porque a força dos sintomas é diretamente dependente:

  1. Do volume de secreções acumulado na cavidade uterina.
  2. A duração da formação de hematómetros.
  3. As causas e fatores que deram origem a isso.
  4. Idade do paciente.

Por exemplo, na adolescência, os pacientes que sofrem de estenose do colo do útero desenvolvem amenorreia secundária ou falsa. No período menstrual não há corrimento vaginal, observa a menina:

  • Desconforto no baixo ventre e peso.
  • Dores de cólicas periódicas.

A intensidade da síndrome da dor varia de sensações pouco perceptíveis a convulsões, que podem ser comparadas em intensidade com o início das contrações do trabalho de parto.

Com o desenvolvimento da patologia em mulheres há um agravamento da condição geral provocada por hemorragia interna:

  • Grande fraqueza.
  • Taquicardia
  • Diminuição da pressão arterial.
  • Náusea e tontura.
  • Sintomas visuais (a aparência de "moscas" à vista).
  • Desmaio
  • Anemia
  • Pressão e dor no baixo ventre.

O sangue é um ambiente fértil para o desenvolvimento de bactérias. A piometra é uma companheira frequente de um hematómetro não tratado a tempo.

A hematometria também cria boas condições para outras doenças inflamatórias do útero: endometrite ou inflamação combinada do miométrio e do endométrio (metrometrite). Um hematómetro não tratado pode levar à formação do útero, sépsis ou peritonite de Cuver. A conseqüência da evacuação tardia do acúmulo de sangue geralmente se torna infertilidade.

A principal razão para a falta de evacuação do sangue do útero é, como mencionado acima, o aparecimento de obstáculos em seu caminho e a interrupção da atividade contrátil do miométrio. O risco de desenvolver essa patologia dobra quando ambas as causas estão presentes simultaneamente.

Levando em conta todos os fatores possíveis, costuma-se destacar 4 grupos principais de motivos:

  • Parto
  • Intervenções no útero.
  • Obstrução (obstrução) do trato genital.
  • Estenose do colo do útero.

A obstrução pode ser causada por compressão mecânica do lado de fora ou por defeitos anatômicos do trato genital. Ou seja, seja orgânico ou funcional. Patologia orgânica inclui:

  • Atresia (fusão das paredes) da vagina.
  • Septo intrauterino de educação.
  • Síndrome de Asherman (aderências intrauterinas ou sinéquias). A formação de sinéquias leva à obliteração parcial e às vezes completa (supercrescimento) da vagina.

Se estas anomalias não foram diagnosticadas e corrigidas na infância, então na idade da puberdade e no início do sangramento menstrual, elas são a causa do hematoma.

Por razões orgânicas podem ser atribuídas, e tumores, na verdade, no útero ou no caminho do fluxo sanguíneo, isto é, no colo do útero. Eles criam um obstáculo físico para o movimento do conteúdo do útero após a medaborta, curetagem separada, realizada com um propósito de diagnóstico (RDV). Tais formações incluem:

  • Polipose ou pólipos grandes e únicos.
  • Miomas grandes, localizados perto da garganta uterina externa.
  • Cânceres no útero ou no colo do útero.

O fluxo de sangue da cavidade uterina pode impedir a obturação (bloqueio) da faringe interna do órgão. Isso é possível se um coágulo de sangue bastante grande, parte da placenta ou um fragmento de um feto destruído no processo de medaborta for retido na garganta.

A formação de hematômetros pode estar associada à deformidade cicatricial do colo uterino, o que causou seu estreitamento. Cicatrizes são formadas após radioterapia ou cirurgias traumáticas.

Por razões funcionais, o espasmo do colo do útero é considerado:

  1. Após o término artificial da gravidez.
  2. Após LDV (curetagem, realizada para fins diagnósticos e terapêuticos).

A perturbação da saída do conteúdo sanguíneo do útero, que se desenvolve dentro de algumas semanas após o parto, é chamada de lohiometros, porque as hemorragias pós-parto são chamadas de lóquios. Esta complicação pós-natal é mais frequentemente desencadeada por:

  • Hipo ou atônia miométrio.
  • Choque causado por grande perda de sangue.
  • Atividade genérica inativa.
  • Separação manual da placenta.
  • Alongamento excessivo do miométrio pelo fruto de grandes dimensões.
  • Overstretching do útero devido a gravidez múltipla.
  • Alterações cicatriciais no útero ou no colo do útero, resultantes de rupturas de tecido como resultado do parto.

Fatores concomitantes que podem afetar a função contrátil do útero, a condição do seu revestimento mucoso, a formação de obstáculos para a saída de sangue são:

  • Inúmeros abortos na história.
  • Inflamação do útero.
  • Aborto crônico.
  • Lesões no canal do parto, não associadas à cirurgia ou ao parto.

Na maioria das vezes, o hematômetro após a curetagem se desenvolve devido ao espasmo do canal cervical. Embora outros fatores não sejam excluídos (remoção incompleta de membranas fetais após um aborto, etc.).

Diagnóstico

O diagnóstico permite o complexo de procedimentos, incluindo uma conversa, exame e exame instrumental de hardware do paciente. Os principais são:

  • Colecione história obstétrica.
  • Exame ginecológico.
  • Ultra-sonografia dos órgãos reprodutivos pelo método intravaginal.
  • Exames de sangue.
  • Teste de esfregaço de laboratório.

Uma conversa com um ginecologista permite que você identifique as queixas do paciente, estabeleça a natureza cíclica da menstruação e o desvio dessa função, e recentemente transferiu procedimentos para os genitais. Com o exame de palpação, um especialista determina a consistência e o tamanho do útero (é uma consistência aumentada, dolorosa e macia).

Para excluir a gravidez, o diagnóstico por ultrassonografia é prescrito. O sensor vaginal permite detectar o conteúdo líquido do útero e coágulos sanguíneos. Graças a este procedimento, é possível determinar a causa da violação da evacuação do líquido detectado (pólipo, miomas, etc.).

Os exames de sangue ajudam a confirmar / negar a gravidez e revelar anemia. Um esfregaço na microflora patogênica fornece ao especialista informações adicionais sobre o desenvolvimento de processos inflamatórios no útero.

Se o diagnóstico é difícil, o paciente recebe uma histeroscopia. Este é um procedimento endoscópico que permite o uso de instrumentos especiais para examinar cuidadosamente a cavidade uterina. Além disso, possibilita a realização de manipulações intrauterinas médicas em um pequeno volume. Esse método envolve não apenas o diagnóstico da doença, mas também seu tratamento.

A principal tarefa de um especialista em curar esta doença é assegurar a evacuação de hematómetros e criar condições para o livre fluxo de fluido da cavidade uterina. Em alguns casos, é possível obter o esvaziamento do útero na fase de diagnóstico. Mas o tratamento não termina aí.As medidas que serão tomadas pelo médico dependem dos fatores que provocaram a doença:

  1. Quando espasmos o colo do útero, são prescritos antiespasmódicos (Nosh-pa, Spasmalgon e outros).
  2. Em caso de violação da atividade contrátil prescrever medicamentos que aumentam a contração do miométrio (ocitocina, medicamentos à base de ergot).
  3. O tratamento e as medidas para prevenir o desenvolvimento de complicações requerem o uso de antiinflamatórios não-hormonais e antibióticos.

Depois de atingir o resultado, o tratamento deve ser continuado, eliminando a razão para o atraso na evacuação do conteúdo do útero: remoção de pólipos, repetidos LDV, a fim de remover membranas residuais ou placenta.

É desejável tratar o hematómetro o mais cedo possível, antes que os tecidos do órgão estejam encharcados de sangue. Caso contrário, uma amputação do útero pode ser necessária.

Tipos de raspagem

Ao escolher um centro médico para limpeza ginecológica, confie na experiência e qualificação de especialistas. Isso ajudará, após o procedimento, a evitar complicações graves, como dor ou hematômetro após a curetagem. Existem vários tipos de limpeza ginecológica, cada qual com suas próprias metas e objetivos.

A limpeza diagnóstica da cavidade uterina é atribuída ao diagnosticar os órgãos internos da pélvis de uma mulher. O principal objetivo desta raspagem é determinar as causas de uma doença. Existem doenças incluem:

• ciclo menstrual irregular

• períodos abundantes e dolorosos,

• Sangramento da vagina durante a menopausa,

• Suspeita de câncer.

Durante a curetagem endometrial, o médico coleta amostras de tecido do útero para análise histológica para um diagnóstico correto. A curetagem terapêutica é realizada para tratar doenças ginecológicas, tais como:

• Miomas uterinos. É um tumor que pode provocar sangramento uterino pesado. Raspagem com esta doença irá ajudar a preparar uma mulher para a cirurgia para remover miomas e tomar amostras de tecido endometrial para tratamento adicional,

• Endometrite. É um processo inflamatório das paredes do útero e do endométrio. A raspagem ajudará a estabelecer o diagnóstico e a prescrever um tratamento eficaz,

• Pólipos no útero e no colo do útero. Causa sangramento grave durante a menstruação ou de forma independente. Durante a limpeza ginecológica, os pólipos são removidos do endométrio e enviados para análise histológica. Os pólipos muitas vezes renascem em oncologia, então a histologia determinará se uma dada doença é uma ameaça à vida de uma mulher,

• Aborto ou aborto perdido. A raspagem nesses casos é realizada para remover resíduos do embrião do útero, pois isso pode ameaçar a saúde da mulher.

Complicações após a curetagem

Limpeza ginecológica do endométrio é a remoção da camada superior do útero para o estudo e tratamento de várias doenças ginecológicas. Como com qualquer intervenção cirúrgica, a raspagem pode deixar uma série de complicações. Existem alguns sintomas que falam do desenvolvimento do processo inflamatório, quando uma mulher precisa urgentemente consultar um ginecologista.

Após a curetagem, o sangramento da vagina é observado por vários dias. Uma mulher pode sentir fraqueza geral e dor de cabeça. Alguns pacientes apresentam dor abdominal baixa. Estes são fenómenos normais, mas todos os dias devem tornar-se mais fracos.

Mas se uma mulher sofre de náusea, vômito, febre, então há a probabilidade de uma complicação tão perigosa quanto o hematômetro após a curetagem, em outras palavras, é uma coleção de sangue no útero e o desenvolvimento de várias infecções. Uma mulher deve monitorar seu estado de saúde após a limpeza, se o sangramento parou muito cedo, então você deve informar o seu médico. O tratamento dos hematómetros é geralmente realizado de maneira medicinal - o paciente toma antiespasmódicos, relaxando assim as paredes do colo do útero. Se o tratamento não der um efeito positivo, a curetagem repetida é realizada com a limpeza do útero de coágulos sanguíneos.

Em preparação para a raspagem, qualquer mulher está procurando um bom médico e uma clínica moderna. Isso mesmo, porque sua saúde deve ser confiada por profissionais. Em nosso centro médico, a limpeza ginecológica da cavidade uterina é realizada por especialistas qualificados na unidade cirúrgica, equipados com equipamentos modernos. Vamos realizar o procedimento de forma rápida e eficiente. Após o procedimento, você receberá cuidados e seleção de medicamentos para ajudá-lo a voltar rapidamente à forma.

Causas

O espasmo cervical e o acúmulo de líquido no órgão reprodutivo podem ser desencadeados por curetagem e várias patologias (pólipos no canal cervical e outras neoplasias no sistema urogenital). Entre as principais causas de tais violações estão as seguintes:

  • pólipos e mioma. As patologias mais comuns são diagnosticadas em mulheres durante a menopausa e menopausa. A probabilidade de desenvolver hematómetros é mínima,
  • trabalho recentemente adiado. O risco de tais distúrbios é devido a rupturas e danos ao canal do parto,
  • atividades abortivas e raspagem. Na grande maioria dos casos, a complicação surge desses procedimentos,
  • tumores malignos endometriais.

Causas da condição patológica

Condições patológicas podem ocorrer por razões orgânicas e funcionais. No primeiro caso, estamos falando de uma barreira mecânica para a saída normal do sangue. No segundo, o distúrbio ocorre devido a espasmos musculares na região do canal cervical.

Há várias razões para a condição patológica observada:

  • redução das propriedades de tração do canal cervical. Existe uma violação após curetagem, medidas abortivas freqüentes e como resultado de mudanças relacionadas à idade no momento da menopausa em mulheres,
  • fusão do hímen após inflamação,
  • estenose cervical,
  • miomas, pólipo do canal cervical,
  • instalação em espiral
  • inchaço das membranas mucosas, desencadeado por uma reação alérgica,
  • aparecimento de sinéquias no útero,
  • desenvolvimento anormal do sistema urogenital, no qual a patência do trato genital é prejudicada,
  • sobreposição da faringe interna do canal cervical com um neoplasma.

Sintomas de hematómetros

Esta condição é acompanhada por manifestações clínicas como:

  • a terminação ou redução rápida no volume de descarga após medidas abortivas, limpeza, cesariana ou partos naturais,
  • a ausência de menstruação ou sua quantidade excessivamente escassa na puberdade. Se uma menina não tem alta (menarca) por um longo tempo, então você pode suspeitar de anomalias do desenvolvimento dos órgãos do aparelho geniturinário,
  • peso no abdômen,
  • periodicamente aparecendo dores nas costas e abdômen inferior, estendendo-se até o cóccix e sacro. Puxando dores são pronunciadas durante o esforço físico e andando com passos rápidos,
  • micção frequente,
  • dor à palpação do órgão genital, redução ou aumento do tempo de redução do tamanho,
  • hipertermia, piora do estado geral, sensação de completa fraqueza e mal-estar. Na maioria das vezes, sintomas similares são observados se uma infecção se uniu, um processo inflamatório começou no útero,
  • palpitações cardíacas, tontura e náusea.

Às vezes, os sintomas são leves ou completamente apagados. Para identificar uma condição patológica, você precisa realizar um diagnóstico abrangente.

Pós-parto

Após a conclusão bem sucedida da gravidez (parto ou cesariana) tais complicações são possíveis. Elas podem ser provocadas pelo rompimento da vagina, cicatrizes no órgão genital, parto anormal, pré-eclâmpsia e alongamento excessivo do útero se o feto for grande. Muitas vezes há uma descarga com um odor desagradável. Por via de regra, indicam o começo do processo inflamatório.

Pós-operatório

A ausência de menstruação após a cirurgia é um sintoma alarmante. É possível que uma condição patológica tenha se desenvolvido como resultado da curetagem terapêutica. Ao mesmo tempo, pode haver coágulos sanguíneos na descarga, dor, náusea e tontura. Inflamação no órgão pode levar ao acúmulo de pus no útero. Deixar essas alterações sem atenção é estritamente proibido. Precisa de cuidados médicos urgentes.

O uso da medicina tradicional

Se raspando a cavidade do órgão levou ao desenvolvimento de hematômetros, a mulher é recomendada para realizar exercícios como agachamentos e curvas. Eles contribuem para o fluxo de sangue. O espasmo é removido aplicando calor ao estômago.

Infusões de bagas de viburnum e urtiga, decocção de raízes de rábano, em pequena medida, contribuem para reduzir o risco de crescimento de hematoma. As drogas estimulam a coagulação do sangue e também podem interromper o sangramento.

É também utilizado no processo de infusão de tratamentos à base de énula e pimenta do altiplano. Esta ferramenta ajuda a aumentar o tom das fibras e provoca uma contração dos músculos uterinos.

Os médicos fortemente não recomendam recorrer ao autotratamento e usam tais remédios de gente. Muitas vezes, no contexto de seu uso na vagina e no órgão reprodutor, o processo inflamatório começa, o sangramento aumenta e os espasmos se tornam ainda mais pronunciados. Além disso, decocções e infusões não são capazes de eliminar completamente os sintomas e resolver o problema imediato.

O tempo necessário para o diagnóstico, a seleção de terapia efetiva e a eliminação de distúrbios é perdido. Como resultado, complicações ainda mais sérias podem ocorrer.

Terapia conservadora

No momento em que o tratamento está apenas começando, o objetivo principal é remover o conteúdo do útero. Se a causa dos distúrbios residir unicamente no espasmo do pescoço, então, para corrigir o problema, será suficiente inserir um cateter na cavidade do órgão e assim remover o sangue do mesmo.

No processo de terapia também são usadas drogas No-spa, oxitocina ou metilergometrina. Uma abordagem integrada contribui para a rápida eliminação do espasmo muscular.

Se a condição começou a se desenvolver após a cesariana ou a resolução natural do trabalho de parto, recorra ao uso de dispositivos de vácuo especiais. Na maioria das vezes, isso envolve o uso de drenagem por aspiração da parte interna do órgão e a lavagem do endométrio usando soluções como cloreto de sódio ou furatsilina. Este procedimento desagradável pode ser repetido diariamente por três e, se necessário, até quatro dias. Devido a isso, o risco do aparecimento do processo inflamatório é significativamente reduzido.

Se no curso das medidas diagnósticas se encontrarem problemas com o hímen, então disseca-se. A raspagem terapêutica é realizada na presença de lóbulos placentários no órgão, bem como partes do embrião, membranas fetais ou coágulos sanguíneos.

O procedimento de histerorresocoscopia prescrito no caso de miomas e pólipos submucosos. Eles são removidos durante o procedimento. Septos congênitos são incisos.

Se o caso é complexo e patologias graves e processos purulentos são observados, então medidas radicais são usadas - as trompas de falópio e o próprio órgão genital são removidos.

Independentemente da causa dos hematómetros, após a remoção do sangue do útero, a saúde da mulher é restaurada com a ajuda de medicamentos anti-inflamatórios e antibióticos. Após o problema ter sido resolvido, é necessário um exame completo. Seu principal objetivo é evitar tais mudanças no futuro. Isto é especialmente importante na presença de anomalias congênitas do aparelho geniturinário.

Um hematômetro é uma complicação grave observada no pós-parto após curetagem da mucosa uterina e medidas abortivas. O acúmulo de sangue no órgão reprodutor pode causar inflamação e formação de pus. A condição patológica é estritamente proibida de sair sem atenção. Somente se a terapia for iniciada em tempo hábil, será possível eliminar o problema e restaurar completamente o sistema reprodutivo. A automedicação é uma medida inaceitável.

Quando as garotas

A hematometria pode ocorrer mesmo em meninas que não vivem sexualmente. As causas estão associadas a malformações dos órgãos genitais ou anormalidades na estrutura:

  • aplasia ou atresia da vagina - subdesenvolvimento parcial ou completo da vagina, sua fusão em alguma área, associada a distúrbios do desenvolvimento intra-uterino,
  • hímen atresia - a presença de um hímen denso sem uma abertura fisiológica para a saída do sangue menstrual,
  • chifre adicional - patologia ocorre se o útero tiver um chifre rudimentar,
  • útero rudimentar - além da estrutura normal, há um chifre ou corpo adicional do útero, não relacionado ao ambiente externo da vagina.

Os seguintes sinais de hematómetros são característicos:

  • dor abdominal - periódica (a cada três a quatro semanas), puxando, não passe ao tomar analgésicos e antiespasmódicos, pode estar doendo ou cólicas na natureza,
  • alta temperatura, tontura, náusea - no momento dos ataques,
  • micção dolorosa - ou dificuldade em urinar,
  • corrimento purulento - com a adição de inflamação e fístula.

Depois do parto

A hematometria após o parto é um sério perigo. O útero neste momento tem um tamanho grande e pode acomodar uma quantidade impressionante de sangue - até 1 l ou mais. Na verdade, está sangrando do útero com acúmulo de sangue no interior - não há sinais externos de patologia, o que leva ao diagnóstico tardio e a mais complicações.

Uma mulher pode fazer as seguintes queixas:

  • peso e dor no baixo ventre,
  • fraqueza, tontura,
  • palpitações cardíacas
  • uma pequena quantidade de descarga do trato genital.

A causa dos hematómetros pós-parto é o espasmo do colo do útero e a atonia do corpo do útero. Como resultado, uma grande quantidade de sangue é secretada pelos vasos do endométrio, mas o pescoço "fechado" não permite que ele saia. Ao mesmo tempo, os restos mortais das membranas fetais são freqüentemente encontrados, portanto, a condição é chamada de um loómetro.

Os hematômetros pós-parto são mais comuns em mulheres:

  • após cesárea
  • no contexto de pré-eclâmpsia grave no final da gestação,
  • com uma fruta grande,
  • em muita água na véspera do nascimento,
  • com gravidezes múltiplas
  • com intervenções dentro do útero.

A próxima gravidez será repetida?

Recuperação severa após sofrer uma perda de sangue, a necessidade de uma transfusão de doadores de sangue assusta uma mulher: e se tudo acontecer novamente durante a próxima gravidez? Mas essa probabilidade é apenas nos casos em que a razão da contração uterina deficiente está associada às características individuais da estrutura e funcionamento dos tecidos. Se o hematômetro desenvolveu-se no contexto de fatores provocantes (por exemplo, gravidez múltipla ou polidrâmnio), então na sua ausência o risco de tal complicação é mínimo.

Depois de aborto, aborto, perdeu o aborto

Hematómetros são uma ocorrência frequente após curetagem diagnóstica, aborto médico e cirúrgico, aspiração a vácuo, incluindo aborto espontâneo ou aborto. As razões são as seguintes:

  • espasmo do canal cervical,
  • obstáculo mecânico ao nível da garganta interior.

Os sintomas hematômicos não são tão brilhantes nesse caso. Às vezes, uma mulher é perturbada apenas por pequenas dores no abdome inferior, que associa à manipulação recente. Também pode ocorrer:

  • febre - com a adição de inflamação,
  • dores espasmódicas graves no baixo ventre,
  • interrupção abrupta de descarga - imediatamente após a manipulação.

Quando você pode planejar a concepção

A tentativa de uma gravidez malsucedida ofusca uma mulher até que o casal volte a conceber e a executar o bebê. É possível planejar, independentemente da quantidade de curetagem, não antes de três meses. Se o hematômetro foi acompanhado por outras complicações, o intervalo pode ser estendido para seis meses ou mais. Em cada caso, o tempo de planejamento bem-sucedido da gravidez após a hematometria deve ser considerado individualmente junto com seu médico.

Contra o pano de fundo da menstruação normal

A hematometria pode ocorrer em mulheres saudáveis ​​à primeira vista. O acúmulo de coágulos sanguíneos ocorre durante a menstruação na presença de obstáculos ao fluxo de saída do conteúdo do útero. Isso pode provocar:

  • rigidez do tecido do canal cervical - após numerosas raspagens, incluindo abortos,
  • aderências e aderências - na área da garganta interna do colo do útero,
  • pólipo - canal cervical,
  • mioma submucoso - localizado perto do colo do útero,
  • dispositivo intra-uterino - e seu deslocamento,
  • inchaço dos tecidos do canal cervical - no contexto de inflamação, alergias a drogas, contraceptivos.

Os sintomas formados hematômetros no fundo da menstruação levar uma mulher a procurar ajuda médica por causa da dor intensa. Eles podem estar cortando, puxando, cólicas. A dor surge devido ao aumento da pressão no interior do útero e efeitos na faringe interna. Além disso, a micção pode se tornar mais frequente devido ao efeito na bexiga.Ou há instintos para defecar com retroflexão do útero (localizado com uma inclinação para trás).

Na menopausa

Um hematómetro após a menstruação em uma mulher (pós-menopausa) está associado a procedimentos intra-uterinos diagnósticos ou tumores benignos ou malignos. Isso deve ser tratado com cautela e expandir as pesquisas de diagnóstico.

Os sintomas dos hematómetros podem estar ausentes ou mínimos. Pode ser confundido com a serosometria (neste último caso, um líquido claro se acumula no útero). Um quadro clínico vívido é característico da adição de inflamação ou sangramento intenso.

Táticas terapêuticas

A suspeita de um hematómetro exige um exame sério e, muitas vezes, uma ação imediata por um médico. Isto é especialmente verdadeiro para as complicações pós-parto. O uso de remédios populares está repleto de graves conseqüências para o corpo, incluindo a aquisição de endometrite crônica. O algoritmo de ações é apresentado na tabela.

Tabela - Diagnóstico e tratamento de hematômetros

O que é um hematômetro no útero?

O conceito de hematômetro refere-se a uma condição patológica na qual o sangue se acumula no interior do útero, o que provoca o desenvolvimento de distúrbios contráteis do corpo uterino, seguidos de infecção do órgão. Existem muitos fatores causais para os hematômetros, embora o fator invasivo seja considerado predominante, ou seja, a patologia ocorre predominantemente após intervenções cirúrgicas realizadas no órgão.

Na maioria das vezes desenvolve-se como efeitos pós-parto (mais de 87%). O segundo fator mais popular é considerado intervenção invasiva, como aborto, curetagem cirúrgica ou diagnóstica.

A dificuldade é que mais de 65% dos casos de hematômetros são detectados quando a doença já evoluiu até o seu potencial máximo e conseguiu provocar complicações infecciosas, portanto, o diagnóstico precoce é de suma importância. De acordo com a classificação da CID-10, o código N85.7 é atribuído ao hematômetro.

Dependendo da etiologia, os hematómetros são classificados em 4 tipos:

  • Originado no estado pós-parto,
  • Formado como resultado da intervenção intra-uterina,
  • Apareceu na estenose do canal cervical,
  • Formada durante processos de obstrução.

Congestão devido a causas adquiridas ou congênitas:

  • Hematomato congênito - esta categoria inclui sinéquias intrauterinas ou septais, atresia vaginal ou canal cervical. Se na infância a patologia não foi diagnosticada e eliminada na infância, então com o início da menstruação, a formação de hematômetros pode ocorrer.
  • Os fatores orgânicos são uma variedade de estruturas uterinas ou cervicais que criam obstáculos mecânicos ao fluxo sanguíneo do fluxo menstrual, sangue após um aborto ou curetagem diagnóstica e terapêutica. Como tais obstáculos podem ser uma variedade de pólipos e miomas, oncopatologia. Qualquer fragmento abdominal ou placentário durante o aborto, um coágulo com sangue também pode fechar a faringe uterina interna.
  • As razões funcionais para a formação de hematómetros são devido a espasmo cervical após uma interrupção médica da gravidez ou curetagem de um congelado. Se o hematômetro apareceu na primeira semana após o nascimento, ele é chamado de loómetro, e é provocado por atonia uterina com parto fraco ou sobredistensão do órgão com grande tamanho fetal, cicatrizes uterinas e choque hemorrágico, separação da placenta da criança, etc.

Um hematómetro formado no fundo da curetagem ou outra intervenção requer tratamento obrigatório, caso contrário a inflamação purulenta se desenvolve, na qual o útero pode ser mostrado, que é carregado de infertilidade irreversível. Portanto, nos primeiros sinais suspeitos, você precisa entrar em contato com os especialistas.

As principais manifestações do acúmulo de sangue incluem tais sinais:

  1. Se no primeiro ou no segundo dia da menstruação ou após intervenção abortiva, curetagem ou após o parto, houve uma parada súbita da descarga sangüínea.
  2. Primeiros períodos escassos ou ausentes em meninas.
  3. A carga na área acima do púbis.
  4. Aumento repentino do desejo urinário.
  5. Dores periódicas do tipo colateral no abdome inferior, irradiando-se para o cóccix, lombar ou sacro. Durante o esforço físico ou andando rápido, eles são notavelmente fortalecidos.
  6. Longa contração do corpo uterino após o parto, um aumento acentuado no tamanho do órgão após cesárea ou parto natural. Ao mudar ou palpar, há dor.
  7. Fraqueza severa ou tontura, náuseas e palpitações tornam-se mais intensas se o hematómetro adquirir dimensões impressionantes e continuar a aumentar.
  8. Reações de Hyperthermic e agravação da condição geral, manifestada em fraqueza moderada e frieza, fraqueza e mal-estar.

Às vezes os sintomas aparecem apagados e ligeiramente ou ausentes. O diagnóstico é baseado em uma análise cumulativa da história, resultados de exames laboratoriais e instrumentais, exames ginecológicos.

Como tratar

A terapia com hematômeros tem como objetivo principal eliminar o acúmulo de sangue da cavidade uterina, somente depois os fatores etiológicos são eliminados, seguidos por assegurar o fluxo suave do conteúdo uterino.

  • Se a causa dos hematómetros é a oclusão do colo do útero com partículas da placenta ou do feto, coágulos sanguíneos, então a cavidade uterina é esvaziada já na fase de detecção.
  • Se as causas residem no atônio do órgão, então a estimulação medicinal da atividade uterina contrátil é realizada. Os pacientes recebem medicamentos como uterotônicos, como ocitocina ou metilergometrina, etc.
  • Para prevenir o desenvolvimento de complicações de natureza inflamatória, são utilizados AINEs como Nimesulida ou Ketonal e outros.
  • Se as medidas tomadas não ajudarem a esvaziar completamente o corpo uterino, então a aspiração a vácuo do conteúdo do órgão é realizada.
  • Se houver lesões como miomas ou septos, pólipos, eles são removidos por intervenção endoscópica.

Quanto mais cedo for detectado e eliminado o acúmulo de sangue na cavidade uterina, menor o risco de desenvolver complicações.

Manifestações clínicas

Os principais sintomas dos hematômetros:

  1. Diminuição acentuada ou cessação completa do sangramento nos primeiros dias da menstruação após um aborto instrumental ou médico, curetagem terapêutica e diagnóstica, no período pós-parto precoce ou após cesárea (redução ou cessação de lóquios), etc.
  2. A ausência ou escasso fluxo menstrual inicial nas meninas (com desenvolvimento anormal dos genitais).
  3. Sensações de peso no baixo ventre (na área suprapúbica).
  4. Dores colímicas periódicas no abdome inferior, que são administradas na região lombar, sacro e cóccix. Essas dores tornam-se mais intensas durante a caminhada rápida e o esforço físico.
  5. Pode haver necessidade mais frequente de urinar.
  6. Aumento em termos de redução do tamanho do útero (subinvolução) ou, ao contrário, seu aumento após o parto ou cesárea, dor à palpação e tentativa de deslocamento.
  7. Aumento da temperatura corporal e agravamento do estado geral - fraqueza moderada, calafrios (mais frequentemente no caso de uma infecção), mal-estar e fraqueza.
  8. Tontura, fraqueza severa, palpitações, náusea - em casos de uma quantidade significativa de hematoma e seu aumento contínuo.

Muitas vezes, muitos dos sinais subjetivos de hematómetros são expressos ligeiramente ou nada. O diagnóstico de patologia é baseado em uma combinação de dados anamnésicos, resultados de exames ginecológicos e exames instrumentais.

Durante o exame externo, o útero dolorido, que é ampliado pela consistência pastosa, pode ser determinado pela inconsistência de seu tamanho com o período do pós-parto, inchaço do períneo ou apenas os grandes e pequenos lábios são possíveis.

Durante o exame ginecológico pode ser identificado:

  • inspeção dolorosa,
  • atresia congênita ou adquirida do joio virginal, septo transverso do terço superior da vagina, que assume a forma de uma membrana protuberante através da qual é visível a formação tumoral (sangue) de coloração cianótica, em alguns casos (com grandes quantidades de sangue), até o edema de todo o períneo é visível,
  • cianose e inchaço da membrana mucosa da vagina e do colo do útero, a presença de tumores e cistos,
  • pescoço espasmódico e abertura externa estreita do canal cervical com pouco ou nenhum fluxo sanguíneo após um aborto, aborto espontâneo ou durante a menstruação,
  • partes do feto ou membranas, um grande coágulo de sangue após um aborto ou aborto,
  • falta de sangue nos dias correspondentes à menstruação, na presença do dispositivo intra-uterino,
  • a ausência de lohia ou sua quantidade insignificante, que é inconsistente com o prazo do período pós-parto
  • a liberação de sangue através de um cateter inserido através do canal cervical na cavidade uterina para fins de diagnóstico,
  • A consistência do útero e dor durante a palpação ou luxação durante um exame bimanual e outros sintomas.

O hematómetro pode ser diagnosticado de forma mais fiável com ultra-sons ou através de histeroscopia (em casos graves). Este último permite procedimentos de tratamento simultâneos. Os principais sinais de eco da retenção de sangue no útero são a presença de fluido e um aumento no volume da cavidade. O valor de referência é o excesso de 3-5 mm da taxa normal de tamanho anteroposterior. Na presença de sangue nas trompas de Falópio é determinado pelo seu espessamento.

Além disso, a ultrassonografia pode frequentemente ser usada para diagnosticar a causa da retenção de sangue - uma redução no diâmetro do óstio interno e / ou externo, um mioma submucoso, sinéquias intrauterinas, anomalias de desenvolvimento congênitas, etc.

Os hematômetros podem se resolver?

Se um obstáculo à saída do conteúdo da cavidade uterina for funcional (espasmo do colo do útero ou hipotensão do útero), então, às vezes, essa possibilidade existe. Entretanto, na maioria dos casos, o hematômetro não passa sozinho, o que requer tratamento adequado.

Os perigos do uso da medicina tradicional

A medicina tradicional é o exercício recomendado na forma de curvas e agachamentos, que devem contribuir para a saída de sangue, o calor para a parte inferior do abdômen, a fim de eliminar o espasmo.

Além disso, a tintura ou infusão de pimenta e elecampane são usadas para melhorar o tônus ​​das fibras musculares lisas e contrações uterinas, infusões de urtiga, bagas de viburnum e decocção de rábano silvestre, o que deve ajudar (até certo ponto) a reduzir o acúmulo de hematoma aumentando as propriedades de coagulação sanguínea. e pare de sangrar.

No entanto, tal auto-tratamento com remédios populares em muitos casos só pode aumentar o sangramento (calor, esforço físico) e a gravidade do espasmo cervical (tintura ou infusão de pimenta e ervas) e as plantas medicinais acima (urtiga, viburno, rabanete) não é capaz de realmente afetar em termos de parar ou reduzir o sangramento.

Ao mesmo tempo, o tempo é perdido, o qual deve ser usado para diagnosticar corretamente as causas da patologia e conduzir um tratamento conservador ou cirúrgico eficaz.

Por que a patologia surge?

Por via de regra, o hematómetro desenvolve-se depois do parto ou curetagem do útero. Raspagem envolve a remoção da camada superior da membrana mucosa do órgão, que é necessária quando abortos ou aborto foi esquecido. O endométrio (mucosa uterina) em mulheres é regularmente atualizado, o que se manifesta na forma de menstruação.

Na ausência de fertilização, esta camada é rejeitada e deixa o útero, recuperando-se novamente no próximo ciclo.

A causa dos gametômetros geralmente é um comprometimento fisiológico do útero, quando as paredes uterinas não conseguem contrair o suficiente para retirar o sangue da cavidade. Após o parto, fragmentos da placenta podem permanecer na cavidade, e após o aborto, partes do embrião e membranas mucosas, o que leva à formação de hematômetros.

A causa patológica da doença pode ser um espasmo do canal cervical, devido ao qual as paredes do útero se fecham e não permitem que o sangue saia da cavidade. O hematómetro, que aparece após a curetagem ou a chamada limpeza ginecológica, desenvolve-se de acordo com o mesmo cenário de um aborto.

Qual é a curetagem do útero?

Existem várias formas de limpeza ginecológica, dependendo das tarefas.

Nos centros médicos modernos, realiza-se a curetagem diagnóstica, que é projetada para determinar a presença de uma determinada patologia em tais situações:

  • suspeita de câncer,
  • sangramento durante a menopausa,
  • menstruação muito pesada ou dolorosa,
  • irregularidades menstruais.

Para fins de diagnóstico, um especialista recolhe uma amostra do endométrio para estudos histológicos adicionais.

No que diz respeito aos fins terapêuticos de limpeza ginecológica, então eles incluem o tratamento de tais doenças:

  • endometrite. Tal violação é expressa na inflamação das paredes do útero ou endométrio,
  • pólipos no colo do útero ou no interior do útero. Como resultado desta doença, a descarga excessiva ocorre durante a menstruação. A limpeza ginecológica permite remover os pólipos antes que eles se tornem uma séria ameaça à saúde do paciente ou até se desenvolvam em uma doença oncológica,
  • miomas uterinos. Este tumor causa sangramento uterino. Graças a raspagem do corpo está preparado para remover o tumor,
  • perdeu o aborto. A limpeza ginecológica é realizada para extrair os restos de embriões do útero.

Assim, o procedimento é simplesmente necessário em alguns casos para diagnosticar e tratar muitas doenças ginecológicas. No entanto, esta intervenção cirúrgica, como qualquer outra operação, pode acarretar certas complicações. Alguns sinais indicam o desenvolvimento de processos inflamatórios no útero.

Normalmente, o período de recuperação após a limpeza ginecológica é acompanhado por sangramento vaginal, fraqueza geral e dor no baixo-ventre.

No entanto, no curso normal da recuperação, esses sintomas desaparecem após algum tempo. Quanto à complicação após tal operação, ela pode se manifestar na forma de um hematômetro - um fenômeno perigoso que acarreta o desenvolvimento de infecções e inflamações.

O que é um hematómetro e quais são os princípios do seu tratamento?

Na primeira detecção de sinais de hematómetros, uma mulher deve consultar imediatamente um médico. Se, após uma limpeza ginecológica, o sangramento cessar muito rapidamente, isso pode ser um sinal claro para o desenvolvimento da doença.

Os sintomas característicos dos hematómetros podem ser considerados:

  • cessação súbita da descarga após curetagem ou parto,
  • sensação de peso no baixo ventre,
  • falta de menstruação por um longo período
  • fraqueza geral e mal-estar,
  • dor no abdômen, agravada pela atividade física.

Além disso, na presença de um processo inflamatório, o paciente pode experimentar um aumento na temperatura corporal, bem como a propagação da dor na região lombar e no sacro.

Também pode haver uma descarga com um odor específico, externamente reminiscente de ichor. Com hemorragia interna, tonturas e desmaios podem ocorrer, assim como desorientação no espaço.

O tratamento de hematómetros depois de curetagem ou parto, por via de regra, começa com a terapia medicamentosa. O paciente é prescrito drogas antiespasmódicas para relaxar as paredes do colo do útero. Na ausência da eficácia do tratamento medicamentoso, os médicos insistem na repetição da limpeza ginecológica. Durante o procedimento, todo o conteúdo do útero é removido e a terapia continua a eliminar a inflamação. O tratamento antibacteriano também pode ser necessário.

Tratamento tardio de hematómetros pode ser o ímpeto para o desenvolvimento de uma série de doenças perigosas do sistema reprodutivo feminino, envenenamento do sangue e infertilidade. No entanto, se todos os requisitos da ginecologia forem atendidos e um exame anual for feito, a probabilidade de complicações e quaisquer conseqüências desagradáveis ​​é excluída.

Gosta deste artigo? Veja publicações relacionadas:

Pin
Send
Share
Send
Send