Vida

Myoma clímax: quais são os prós e contras de tal conjunto?

Pin
Send
Share
Send
Send


Hoje, os miomas ocorrem no belo sexo com a idade de vinte a cinquenta e cinco. O tamanho do selo do tumor pode variar de alguns milímetros a dez centímetros (os médicos registraram um caso de detecção de miomas do tamanho de um melão). Na maioria das vezes, esta doença ocorre em mulheres que se aproximam da menopausa (a razão está no fracasso hormonal). Após o início da menopausa, observa-se uma diminuição e desaparecimento de um tumor benigno. Mas o que fazer se os miomas uterinos aparecessem durante a menopausa? Os sintomas e tratamento desta doença são discutidos abaixo.

Características gerais da doença

O mioma do útero pode ser representado como um tumor benigno localizado no tecido conjuntivo muscular do útero. Este selo se parece com um nó de mioma semicircular ou redondo. A doença pode prosseguir sem dor, sintomas, se o tumor for pequeno. Se vários linfonodos são formados, o crescimento de miomas uterinos aumenta, então sinais característicos (dor, sangramento) podem aparecer.

De acordo com a localização de um tumor benigno, quatro tipos são distinguidos:

  • subseroso,
  • intramural
  • submucosa
  • Intraligamental.

No primeiro caso, os miomas se formam no tecido muscular do útero externo. Também é chamado de subperitoneal. Em desenvolvimento, cresce na cavidade pélvica. Por causa do que está acontecendo pressão sobre as autoridades competentes. Então pode haver dor. O segundo tipo de tumor, chamado nó do mioma intermuscular, se desenvolve dentro do tecido muscular uterino, o que faz com que o abdômen cresça. O terceiro tipo de miomas desenvolve-se sob a membrana mucosa do útero, porque esse tumor é chamado de submucosa. Neste último caso, estamos falando do aparecimento de um tumor benigno entre os ligamentos.

Esta doença (miomas uterinos) ainda não foi estudada pelos médicos. Presume-se que as causas de sua ocorrência sejam perturbações hormonais, doenças hereditárias, reação individual ao dano tecidual (aborto, cirurgia), infecções sexualmente transmissíveis, ciclo menstrual precoce (menos de dez anos), abuso de álcool, relações sexuais irregulares, fator genético, situação ambiental.

Mioma e câncer do útero

Muitas mulheres, ao saberem que têm um tumor benigno, imediatamente entram em pânico por medo da morte. No entanto, a formação de linfonodos miomatosos não é um tumor maligno oncológico. Câncer uterino, sarcoma - são doenças femininas completamente diferentes. A ginecologia, como ciência, revela os seguintes fatores que contribuem para o surgimento das células cancerígenas:

  • fumar
  • diabetes mellitus
  • Hiv
  • violação do ciclo menstrual,
  • a presença do papilomavírus humano,
  • doenças sexualmente transmissíveis,
  • infertilidade
  • menopausa tardia
  • parto precoce
  • promiscuidade
  • uso de contraceptivos orais
  • obesidade
  • doenças das mulheres.

Ginecologia ainda não revela a causa exata do câncer uterino, bem como miomas. Como você pode ver, a partir da lista acima, muitos fatores são similares às causas do aparecimento de linfonodos miomatosos, portanto é necessária uma pesquisa cuidadosa com as análises, o diagnóstico por ultrassonografia e a biópsia.

O aparecimento de câncer uterino, bem como miomas, é indicado principalmente por menstruação irregular. Isto é, a hemorragia vai aleatoriamente, esfrega, depois pára e depois de algum período mais abundante, de longa duração aparece. Outro sinal é a dor que surge durante ou após o ato sexual, provocando sensações desagradáveis ​​na virilha, parte inferior das costas. A mulher está rapidamente perdendo peso, cansada rapidamente.

Tipos de miomectomia no tratamento de nódulos miomas

O tratamento cirúrgico mais eficaz dos miomas uterinos. Miomectomia é a remoção cirúrgica de um tumor benigno com preservação dos órgãos femininos. Existem três tipos de miomectomia:

  • abdominal,
  • laparoscópico,
  • histeroscópico

No primeiro caso, a remoção dos nódulos do mioma ocorre com preservação do útero, mas se o seu número não for superior a quatro. A miomectomia abdominal é realizada sob anestesia geral. Na área do biquíni, uma incisão é feita, os tumores são removidos e, em seguida, cada camada é suturada alternadamente. O perigo deste método é o envolvimento de outros órgãos, infecção, sangramento, aparecimento de aderências, risco de infertilidade.

A segunda opção é adequada para remoção de nós subserosos e intramurais. Antes da operação, um curso médico é designado para reduzir o tamanho dos nós. Em seguida, a área do umbigo ou peritônio é puncionada, os nós são removidos com uma câmera de vídeo e instrumentos cirúrgicos. Em comparação com o primeiro método, esse tipo de miomectomia é mais indolor. Mas há também o perigo de danos aos órgãos internos adjacentes, vasos sanguíneos, formação de hematomas, infecção, aparecimento de hérnias.

A terceira variante da miomectomia é para tumores localizados no tecido mucoso do útero. A operação ocorre sob anestesia geral ou raquidiana sem uma incisão. Através da vagina, um reshetoscope é inserido no útero, o tumor é removido. A vantagem deste método reside na perda sanguínea mínima, no efeito cosmético, na capacidade de carregar e gerar filhos. O perigo pode ser infecção, dano vascular, queimaduras, repetição da operação. Mas na maioria das vezes os sinais de miomas após tal cirurgia não aparecem.

Histerectomia como forma de remover o útero

A histerectomia é uma operação para remover um tumor junto com um útero. Também pode ser feito de diferentes maneiras: laparoscópica, através da vagina ou aberta. Os dois primeiros métodos são caracterizados por um efeito cosmético, ou seja, não haverá sutura cirúrgica no corpo. Mas a escolha do tipo de operação depende da idade da mulher, do grau da doença.

A intervenção uterina minimamente invasiva é mais comumente usada. Ou seja, as micropartículas são injetadas nas artérias que alimentam o tumor, o que impede a alimentação de linfonodos miomatosos e, conseqüentemente, o crescimento do tumor é interrompido.

Durante a gravidez, em algumas doenças inflamatórias, a localização do tumor no colo do útero, na presença de um nó submucoso na haste fina, esta operação (mioma uterino) é contra-indicada. As conseqüências são expressas em violação do ciclo menstrual, amenorréia, descolamento de tecido de um tumor em decomposição. A melhor opção é consultar um médico e tratar linfonodos miomatosos nos estágios iniciais de desenvolvimento. Então eles podem prescrever um curso de drogas hormonais que impedem a produção de estrogênios, por causa dos quais os linfonodos miomatosos são reduzidos em tamanho.

Como tratar um tumor sem cirurgia?

Na maioria das vezes, os médicos não tratam pequenos nódulos de mioma, mas apenas monitoram seu crescimento. Isso se aplica a mulheres que têm miomas uterinos com menopausa. Os sintomas e o tratamento serão ligeiramente diferentes. Primeiro, o paciente será enviado para uma biópsia para excluir a nucleação de células cancerígenas. Em segundo lugar, o tratamento será abrangente, visando o mioma e os efeitos negativos da menopausa. Em terceiro lugar, a terapia hormonal conterá outros hormônios (não o estrogênio).

O tratamento de miomas com drogas é possível se:

  • tamanho dos nós de mioma inferior a dois centímetros,
  • o tipo de tumor é intramural ou subseroso,
  • o tamanho do útero não excede os parâmetros de uma gravidez de 12 semanas,
  • nenhuma violação grave do quadro clínico,
  • não há doenças de órgãos próximos,
  • crescimento de selo lento
  • não há alergia a drogas.

Se uma mulher se aproxima da menopausa e o tamanho dos miomas é insignificante, então só é possível observar o crescimento do tumor. Desde o seu desenvolvimento depende dos hormônios progesterona e estrogênio, cujo número diminui com o início da menopausa. No entanto, se uma mulher usa comprimidos para a menopausa, onde existem esses hormônios, os miomas crescerão.

Na maioria das vezes, a terapia hormonal é realizada como um curso pré-operatório, a fim de reduzir o crescimento dos nódulos de mioma. Então drogas com hormônios hormônios liberadores de gonadotrofinas (aGRH), mifepristone são prescritos. Eles não podem ser tomados mais de seis meses, como a osteoporose irá ocorrer devido a uma enorme deficiência de cálcio. No entanto, é impossível curar um grande mioma com estas drogas, uma vez que o efeito da terapia hormonal é a curto prazo, depois de algum tempo o crescimento dos nódulos continua.

É possível curar um tumor com remédios populares?

A maioria das mulheres russas tendem a se curar quando têm miomas uterinos com menopausa. Sintomas e tratamento são estudados na Internet. Como resultado, alguns recorreram a infusões de ervas, outras correram para curandeiros, bruxas, magos negros. Às vezes, os métodos e outros métodos apenas “tomam” um tempo precioso quando o mioma pode ser curado sem cirurgia com a ajuda de um especialista qualificado.

Quais ervas são selecionadas para o tratamento dos nódulos de mioma? A julgar pelas receitas populares, são selecionadas plantas que curam um tumor benigno, inibindo a divisão celular. As receitas são feitas de uma mistura de plantas venenosas e não-venenosas (Baikal e Dzungarian wrestler, visco, cicuta salpicada, esquilo de pântano, zyuznik europeu, shandra comum, própolis, lungwort medicinal, esporice e outros). Muitas vezes fez tintura de uso dentro de algumas baixas, mas também preparou a mistura medicinal da introdução de tampões na vagina.

O curso é projetado por vários meses. No entanto, a eficácia dos remédios populares não é oficialmente comprovada. Portanto, não recorra à medicina homeopática tradicional sem aconselhamento profissional, uma vez que os miomas uterinos com menopausa apresentam sintomas semelhantes aos do câncer. Mesmo que o médico diagnostique um tumor benigno, o tempo pode ser perdido devido ao auto-tratamento, então os linfonodos terão que ser removidos junto com os órgãos femininos.

A única coisa com que os médicos concordam é a organização de uma nutrição adequada. Quando mioma não pode comer alimentos salgados, picantes, alimentos ricos em gordura, colesterol, carboidratos. Se os nós myomatous se formarem no útero, então é necessário usar vitaminas (ácido fólico, B, E, C, D, ferro, cálcio). Preferência é dada a frutas cruas, legumes, aveia e mingau de trigo sarraceno, iogurte, queijo cottage, alimentos ricos em proteínas, carne cozida. Com esta doença, você precisa de menos para estar sob a luz direta do sol, para eliminar os efeitos térmicos e físicos da massagem sobre a localização dos nós.

Se uma mulher tem a aparência de miomas com o início da menopausa, então você deve tomar vitaminas durante a menopausa: E, C, D, B6, B1, B12, B9, ômega-3. A primeira vitamina tocoferol reduz os efeitos negativos da menopausa, estimulando a função das glândulas sexuais. Ascorbic fortalece os vasos sanguíneos, reduz o aparecimento de inchaço nos tecidos. A vitamina D com a ingestão simultânea de cálcio ajuda a fortalecer o tecido ósseo.

As vitaminas do complexo B suportam o trabalho do sistema cardiovascular, nervoso e imunológico, razão pela qual a ansiedade normaliza, a irritabilidade desaparece. Complexo vitamínico do grupo ômega-3 permite ativar a atividade mental, melhorar o desempenho, equilibrar a falha hormonal, ajudar com ganho de peso excessivo.

Use alimentos que contenham essas vitaminas e minerais para ajudá-lo a se sentir melhor com a menopausa e a formação de miomas. Não se esqueça de ser examinado, pois o médico pode prescrever medicamentos hormonais e comprimidos de menopausa para vitaminas.

Mioma e menopausa

Acredita-se que os linfonodos miomatosos apareçam em mulheres durante o período reprodutivo. Isto é devido à presença de hormônios necessários para o crescimento do feto durante a gravidez, mas ao mesmo tempo afetando o crescimento dos tumores. Além disso, se uma mulher teve abortos, abortos e outras situações cirúrgicas, cicatrizes no tecido muscular uterino também podem levar ao aparecimento de miomas.

Durante a menopausa, o nível de estrogênio é reduzido e, portanto, nós pequenos até dois centímetros podem ser reduzidos em tamanho. Às vezes, os miomas uterinos podem desaparecer completamente (revisões de mulheres com uma cura milagrosa não são cientificamente justificadas). Mas com o uso de drogas com estrogênio, a alimentação do tumor continua e, portanto, pode aumentar. Assim, independentemente da menopausa, é necessário que seja monitorado por um ginecologista, que seja submetido ao diagnóstico ultrassonográfico a cada quatro meses com desenvolvimento intensivo de miomas.

Em geral, a natureza da aparência dos nódulos de mioma ainda não foi estudada pelos médicos. Se antes acreditava-se que após a menopausa, o mioma não poderia aparecer, agora as queixas das mulheres sobre a formação de um tumor durante a menopausa estão se tornando mais frequentes. Então é necessário passar por um ultra-som para determinar a natureza dos selos que apareceram. Como a probabilidade do aparecimento de células cancerígenas aumenta com a idade, os miomas podem não ter nada a ver com isso.

Os efeitos do tratamento do tumor: osteoporose

Reduzir o tamanho dos miomas ocorre devido a preparações hormonais. Se uma mulher tem menopausa, ela pode tomar pílulas com estrogênio, o que aumenta os miomas uterinos. Qual é o perigo desta doença? Médicos prescrevem um monte de pílulas com diferentes hormônios: alguns deles visam reduzir o tamanho do tumor, outros estão lutando com os sintomas negativos da menopausa. O uso a longo prazo destes hormônios leva a uma diminuição na concentração de cálcio, o desenvolvimento da osteoporose. Ou seja, com o tempo, a densidade óssea diminui, o risco de fraturas aumenta, mesmo com uma ligeira queda.

Isto é devido a um desequilíbrio no funcionamento das células ósseas. Ou seja, os osteoclastos que restauram as células ósseas normalmente prevalecem em comparação com os osteoblastos que destroem o osso. Na osteoporose, o equilíbrio dessas células muda na direção do aumento das células destrutivas. Uma das razões para essa desarmonia é a diminuição dos hormônios sexuais durante a menopausa ou o uso de medicamentos que reduzem a quantidade de estrogênio no mioma.

As consequências da osteoporose são expressas por fraturas do colo e vértebras do fêmur. Em mulheres com mais de cinquenta e cinco anos, essas fraturas podem não cicatrizar e tudo porque a imobilidade provoca o desenvolvimento intensivo de osteoporose. Mas na maioria das vezes tais fraturas são assintomáticas ou são expressas por dores nas costas, e depois de algum tempo há uma curvatura das costas, forma-se uma protuberância.

Miomas uterinos: o que é perigoso?

Os nódulos miomatosos, assim como a menopausa, são acompanhados por sangramento intenso, que com o tempo pode causar anemia. No corpo feminino, o número de glóbulos vermelhos diminui, o nível de hemoglobina diminui, há falta de oxigênio e ferro. A mulher tem fraqueza, fadiga, pele pálida, falta de ar, tontura, dor de cabeça, taquicardia, boca seca.

Além da anemia, um grande local de fibrose uterina, devido à pressão constante nos órgãos vizinhos, pode atrapalhar seu trabalho (por exemplo, reto, rim, ureter). Isso pode causar doenças como hidroureter (acumulação de líquido no ureter), hidronefrose (expansão dos copos e pelve renal devido ao acúmulo excessivo de urina), pielonefrite (inflamação dos rins).

Se os miomas ocorrerem durante a gravidez, o seu crescimento intensivo e tamanhos grandes podem causar aborto espontâneo, descolamento e placenta prévia. Mas, na maioria das vezes, os nódulos do mioma não afetam o desenvolvimento completo do feto, embora a concepção de um filho possa estar atrasada no tempo.

Miomas uterinos com menopausa ocorrem mais frequentemente devido a um desequilíbrio de hormônios e, portanto, podem ser acompanhados por aftas. A presença de infecção pode agravar a saúde de uma mulher e, portanto, é necessário consultar um médico para tratamento complexo.

Assim, você não deve perder os exames ginecológicos anuais, mesmo na ausência de qualquer reclamação. Depois de atingir a idade de trinta e cinco anos, uma mulher precisa se submeter a um ginecologista, um endocrinologista, um clínico geral, um cirurgião vascular, um nutricionista, um mamologista, uma ultrassonografia da tireóide, glândula mamária, órgãos do peritônio e pequena pélvis. E também doar sangue para análise geral, bioquímica, examinar citologia cervical, ECG, lipidograma.

Como medida preventiva, é necessário monitorar sua imunidade, metabolismo e sistema endócrino. Se possível, peça ao seu ginecologista para prescrever vitaminas durante a menopausa, não hormônios. Lembre-se de que, na presença dos sintomas acima, é melhor consultar um especialista, mas você não deve procurar especificamente linfonodos miomatosos. É o suficiente para ser examinado por um ginecologista duas vezes por ano.

A etiologia do processo, os fatores de risco de formação durante a menopausa

Regressão de miomas uterinos durante a menopausa é freqüentemente observada, mas nem sempre. O processo inverso é possível. As razões para o crescimento de miomas uterinos na menopausa têm sido estudadas de forma insuficiente, apesar da abundância de material empírico e dados de estudos especializados. Resumindo as informações, você pode destacar os seguintes pontos:

  1. Miomas uterinos têm uma dependência hormonal pronunciada. Развитие неоплазии сопряжено с изменением баланса эстрогена и прогестерона в организме пациентки. Отмечают избыток первого и недостаток последнего.Talvez a violação da recepção pelas células dos tumores miócitos dessas substâncias ativas. Durante a menopausa, os níveis de estrogênio diminuem mais lentamente que os níveis de progesterona. Isso está associado ao crescimento contínuo da neoplasia por algum tempo após o início do pico hormonal. As neoplasias primárias são formadas justamente nesse momento, quando a atividade proliferativa das células é máxima. Algumas fontes indicam indiretamente carcinogenicidade estrogênica, o que não é verdade. Aparentemente, este não é o único mecanismo patológico.
  2. Predisposição genética. Se, na linha dos pais, houve uma mulher que sofre de mioma uterino durante a menopausa, a probabilidade de um processo neoplásico na prole aumenta. Números exatos não são fornecidos. O determinismo genético não é comprovado e permanece uma hipótese. Mas o fato da influência da história da família é indiscutível.

Fatores de risco são determinados por:

  1. Situações estressantes. Estresse emocional está associado a um aumento na concentração de catecolaminas, corticosteróides. Eles inibem a produção de hormônios sexuais e indiretamente afetam a taxa de desenvolvimento da patologia, estimulando a proliferação.
  2. Obeso Violações do equilíbrio lipídico levam a perturbações hormonais generalizadas. Há um sabor (transformação) de andrógenos acumulados em estrogênios. Quando liberados, aumentam a taxa de divisão celular, iniciando a progressão da doença. Isso é especialmente perceptível durante a menopausa.
  3. Gravidez tardia primeiro filho, falta de parto. A influência deste fator é confirmada pelos resultados da observação a longo prazo dos grupos de controle das mulheres durante os períodos de fertilidade e menopausa.
  4. Início precoce do ciclo menstrual (indica alta saturação de estrogênio).
  5. Pertencendo à raça negróide.

É também sobre o potencial não realizado do corpo de uma mulher como mãe, uma história ginecológica desfavorável com freqüentes patologias inflamatórias da região pélvica, abortos e contracepção inadequada.

Apesar de tudo isso, não se sabe qual fator acaba sendo um gatilho. Cientistas e profissionais apontam para a polietiologia do processo. Especialmente no período da menopausa, quando há uma combinação de fatores heterogêneos. Paradoxalmente, fumar reduz a probabilidade de um processo miomatoso.

Classificação

A neoplasia pode ser digitada por vários motivos. Dependendo da posição anatômica do tumor, existem: mioma intramural, subseroso e submucoso, neoplasia cervical, intersticial. A classificação desse tipo desempenha o maior papel na determinação das táticas de tratamento.

Tipos de nós de mioma

De acordo com as características histológicas são determinados: leiomioma, leiomioblastoma, leiomioma maligno.

Processo de localização: 95% dos casos, o local de formação do tumor - o corpo do útero. 5% - o pescoço do órgão.

Sintomatologia

A intensidade dos sintomas na menopausa diminui, o que está associado à regressão espontânea da educação. Durante a menopausa, as neoplasias recém-formadas são de tamanho pequeno. Isso pode ser explicado por um curto período de preservação da concentração de estrogênio com uma pequena quantidade de progesterona. O crescimento também é observado por um período mínimo de tempo (até um ano).

As manifestações clínicas dependem da localização, tamanho do nódulo do mioma.

Miomas pequenos são assintomáticos, latentes. Sinais isolados em quantidade única são possíveis.

No período pré-menopausa, os sintomas dos miomas uterinos são especialmente pronunciados: o ciclo menstrual persiste por algum tempo. Mais tarde, a clínica é determinada apenas por manifestações específicas. Entre eles: intensa dor de cãibra no baixo ventre (projeção do útero). Dê de volta, virilha, membros inferiores. Ao criar um efeito de massa, quando a neoplasia pressiona os tecidos circundantes, o aumento da dor é possível. A natureza do desconforto: dor, puxão, fardo.

O sangramento com nódulo de mioma durante a menopausa é o segundo sintoma mais comum. A intensidade é diferente. Há casos de hemorragia aguda da estrutura nodular (com pressão crescente, doenças infecciosas) com o derramamento de sangue para a cavidade abdominal. Esta é uma complicação terrível e mortal. Sangramento uterino de um tipo diferente ocorre em 70% dos casos relatados. Em cerca de metade das situações, estamos falando de situações de emergência que requerem hospitalização do paciente em um hospital ginecológico. Descarga das passagens sexuais com um forte odor pútrido ou sem ele. Dependendo da presença do componente infeccioso. A cor do exsudado varia de transparente a amarelada ou esverdeada.

Com um tamanho grande de educação, os sintomas são provavelmente por parte da bexiga e do reto. No primeiro caso, os fenômenos de disúria (completa falta de micção), polaciúria (frequentes, impulsos improdutivos para esvaziar a bexiga) estão aumentando. No segundo caso, há uma violação do processo de defecação até a constipação, mudanças no alívio de massas fecais (fezes tipo fita).

Muitas vezes, a formação de hiperplasia secundária do endométrio, adenomiose, que só agrava o curso do processo patológico e aumenta a probabilidade de transformação maligna.

Características da doença em pacientes idosos

Em pacientes com mioma uterino, a menopausa ocorre 1 a 2 anos mais tarde do que em mulheres saudáveis. Nos próximos dois anos, começa a fase de regressão da neoplasia. Mas nem sempre. Possível continuação do crescimento continuado com uma diminuição subsequente no tamanho do nó. Cada segundo paciente tem uma história de miomas, especialmente grandes, causando síndrome climatérica grave com saltos acentuados na pressão arterial, osteoporose, distúrbios generalizados do corpo, diminuição do desempenho, labilidade emocional.

As mulheres que não têm uma progressão reversa da doença estão sujeitas a testes obrigatórios por um oncologista em uma base regular. A vigilância adicional causa-se por: grandes tamanhos de neoplasia, hiperplasia endometrial periódica, 2-3 graus de adenomiose, localização submucosa do nó, falta de dinâmica positiva no contexto da involução a longo prazo de estruturas uterinas. Todos estes são fatores de risco para os miomas uterinos se degenerarem em sarcoma, já que após o início da menopausa, os processos proliferativos são hormonalmente independentes.

Prognóstico e probabilidade de transformação em câncer

O prognóstico dos miomas uterinos na menopausa é quase sempre favorável. A malignidade de acordo com várias estimativas ocorre em 0,3-0,7% dos casos clínicos. Os riscos correlacionam-se diretamente com a idade do paciente: aos 60 anos, a probabilidade de malignidade aumenta em 40%, e assim por diante.

Medidas de diagnóstico

Objetivos de suma importância são identificar a natureza do tumor, a caracterização histológica, sinais de transformação maligna nos estágios iniciais. Pacientes em menopausa são submetidos a exames ginecológicos regulares (a cada 6 meses). De acordo com o depoimento consultado por um oncologista. A lista de estudos necessários é apresentada pelos seguintes eventos:

  1. Entrevistando um paciente para reclamações. A objetivação dos sintomas pode ser realizada por meio de questionários especiais.
  2. Coletando histórico. O período da menopausa, o estado ginecológico, a presença de abortos no passado, o número de gravidezes, a presença de intervenções cirúrgicas nos órgãos reprodutivos, o seu número, estilo de vida, dieta, maus hábitos, etc. desempenham um papel importante.
  3. Exame ultra-sonográfico de estruturas uterinas. É considerado o principal meio de diagnosticar miomas uterinos. No entanto, os resultados e o grau de informatividade do procedimento dependem diretamente da experiência do médico, das habilidades do diagnosticador. É realizado utilizando sensores transvaginais e abdominais. Permite avaliar a natureza da hemodinâmica local, atividade proliferativa das células miócitos, a estrutura da neoplasia. Para distinguir o processo de semelhante em caráter. O ultra-som também é mostrado para observação dinâmica em pacientes na menopausa, que na maioria das vezes já sabem sobre seu diagnóstico.
  4. Echohysterography. Estudo de contraste. É realizado para determinar a localização da neoplasia.
  5. Diagnóstico radiológico. É seguro durante a menopausa, já que não é mais necessário cuidar da preservação da fertilidade.
  6. Tomografia computadorizada (TC). Necessário para a avaliação da hemodinâmica, suprimento sanguíneo para a neoplasia, o que é importante no planejamento de uma intervenção cirúrgica. Miomas uterinos atuais de longo prazo têm áreas de petrificação (acumulação de sais de cálcio), isso pode ser visto apenas na TC.
  7. Ressonância magnética Técnica mais precisa. A ressonância magnética fornece uma imagem detalhada do processo. Permite determinar o tamanho, localização do tumor, para fazer suposições sobre sua natureza. No decorrer do estudo, um sinal hiperintenso ou isointensivo é detectado.
  8. Análise morfológica da biópsia (amostra do nó). Ele coloca um ponto final na questão do tipo de neoplasia. Depois de confirmar a boa qualidade ou a malignidade nascente do processo, a questão da nomeação da terapia é decidida. Os tecidos são retirados com laparoscopia diagnóstica.

Preparações para o tratamento de miomas durante a menopausa não se aplicam. A intervenção cirúrgica é indicada. Tal estratégia de tratamento está associada à ausência de dependência hormonal de um tumor uterino após o início da menopausa.

No período pré-menopausa, a eficácia do tratamento conservador é maior. Origem anti-inflamatória não esteróide, ácido tranexâmico, progestagênios, agonistas de gonadotrofinas, inibidores da aromatase, antagonistas da progesterona são prescritos. Nomes de drogas, os regimes de tratamento são determinados pelo principal ginecologista do paciente. Terapia hormonal na menopausa é realizada com cautela, é possível o crescimento de nós.

A cirurgia é sempre necessária?

Quase Indicações absolutas para o tratamento cirúrgico: o rápido crescimento da educação, a presença de dor pélvica grave, sangramento de qualquer intensidade, envolvimento no processo patológico dos órgãos pélvicos. Em mulheres idosas, a operação é realizada com uma dinâmica negativa da doença. Várias opções de intervenção são possíveis.

Operações de mioma uterino

A histerectomia total é considerada a única opção terapêutica para grandes tamanhos de tumor ou localização submucosa. Consiste na remoção de estruturas uterinas com a formação de um coto. Com um pequeno tumor sem sinais de malignidade, a miomectomia é indicada: uma operação poupadora de órgãos. No entanto, faz pouco sentido. Métodos de tratamento poupadores são realizados quando o paciente se recusa a histerectomia.

Medidas preventivas

A prevenção da progressão ou a formação do processo miomatoso durante a menopausa não é específica. É necessário abandonar maus hábitos, a implementação adequada da função reprodutiva nos primeiros anos, o uso cuidadoso de contraceptivos orais, tratamento oportuno da inflamação e outras patologias da esfera sexual. Recomenda-se que os pacientes após 45-50 anos de idade sejam regularmente monitorados pelo ginecologista para o rastreamento precoce de processos patológicos do gênero neoplásico com um exame de ultrassonografia, avaliação do trato genital e exame físico.

O peso corporal é recomendado para manter um nível normal. Nos últimos anos, a conversão periférica de estrogênios aromatizados do tecido adiposo androgênico desempenha um papel importante.

Se os miomas uterinos são detectados, um tratamento planejado é recomendado de acordo com um esquema de economia (idade precoce) e radical (anos tardios, menopausa). A terapia conservadora é representada por drogas baseadas em hormônios sintéticos, mas não desempenha um grande papel. Uma excisão total do tecido é necessária. Isso evitará conseqüências adversas no futuro e melhorará a qualidade de vida.

Causas de miomas uterinos durante a menopausa

O desvanecimento da função reprodutiva em mulheres ocorre em etapas e é dividido em três etapas:

  • pré-menopausa - pode durar de 3 a 7 anos e é caracterizada por uma diminuição gradual na secreção de hormônios sexuais femininos,
  • menopausa - o período do fim do ciclo menstrual,
  • pós-menopausa - cessação completa da função ovariana.

Cada mulher tem o tempo e a natureza da menopausa - fatores individuais. O processo de mudanças que ocorrem no corpo neste estágio afeta quase todos os sistemas do corpo, mas principalmente a esfera endócrina e sexual. Se uma mulher em idade reprodutiva tem fatores de risco que levam ao mioma uterino, eles podem piorar durante a menopausa. Se não houver nódulos pequenos identificados no músculo, camada submucosa ou entre os ligamentos uterinos, um crescimento significativo de miomas é observado no contexto de transformações hormonais. Em alguns casos, os miomas, pelo contrário, são reduzidos em tamanho.

Definitivamente nomear a causa dos miomas impossíveis. Estudos médicos recentes mostraram que os distúrbios do miométrio são um dos fatores de risco. A menstruação, apesar de sua natureza natural, também lesiona o tecido miometrial. Portanto, na ausência ou pequeno número de gravidezes, parto tardio, o risco de desenvolver miomas aumenta. Além disso, os momentos perigosos são:

  • abortos freqüentes e raspagem por razões médicas
  • doenças inflamatórias e infecciosas dos órgãos pélvicos,
  • desequilíbrio hormonal (é o que acontece durante a menopausa),
  • predisposição congênita
  • puberdade precoce
  • distúrbios metabólicos, obesidade,
  • cirurgia nos órgãos pélvicos.

Miomas de pequeno porte raramente são diagnosticados em um estágio inicial devido ao fato de terem sintomas extremamente baixos e curso latente. No contexto da menopausa, o crescimento de miomas pode acelerar, o que leva à exacerbação dos sintomas e à deterioração da saúde.

Características do fluxo da menopausa com mioma

A extinção da função reprodutiva é acompanhada por uma diminuição na secreção de hormônios sexuais femininos, que tem um impacto sobre a natureza da reprodução das células da mucosa e dos tecidos musculares do útero. A maioria das mulheres tem um espessamento do miométrio. As características de como a menopausa começa com o mioma não são detectadas clinicamente. Em alguns casos, pode aumentar as manifestações patogênicas - ondas de calor, sudorese, aumento da fadiga, dores de cabeça e tontura, distúrbios do sono.

Quando a menopausa começa com mioma, os depoimentos de especialistas mostram, como nos casos sem patologias, que o processo é puramente individual. Características da menopausa, desenvolvimento ou regressão de miomas são devido a muitos fatores, anamnese das doenças transferidas e processos específicos do corpo de cada paciente individualmente. Como regra geral, os miomas não afetam o início da menopausa, mas podem ter um impacto negativo em seu desenvolvimento.

Nas mulheres que são propensas à obesidade ou à obesidade, os miomas tendem a aumentar devido aos hormônios extra femininos que são sintetizados pelo tecido adiposo. O excesso de hormônios femininos suporta os nódulos miomas, o que leva ao seu crescimento. Suplementos bioativos ou métodos tradicionais de tratamento (fitoterapia) podem afetar a saúde de uma mulher e o desenvolvimento de miomas durante a menopausa. Não é recomendado o uso de suplementos alimentares, medicamentos e automedicação, de modo a não acelerar o crescimento das formações. Quaisquer medicamentos e métodos de tratamento devem ser coordenados com o ginecologista.

Miomas uterinos com menopausa - sintomas e tratamento

No processo da menopausa, os sinais de miomas não são muito diferentes do curso da doença durante o período reprodutivo. Diferenças significativas, como dores no mioma uterino durante a menopausa, podem se manifestar com o crescimento ativo da formação. A síndrome da dor pode dar na região lombar, membros inferiores. Muitas vezes, a presença de nódulos de mioma em uma mulher é diagnosticada por acaso durante um exame de rotina, uma ultrassonografia. Os pequenos nódulos podem não ser palpáveis ​​durante um exame ginecológico e não apresentam sintomas significativos óbvios. Sinais que valem a pena prestar atenção são:

  • Necessidade freqüente de urinar. Esse sintoma é explicado pelo fato de que os nódulos em crescimento tocam e pressionam a bexiga, reduzindo seu volume natural.
  • Descarga com mioma uterino durante a menopausa na maioria das vezes tem um volume pequeno. Irregular manchas de descarga acastanhada ou com sangue entre os períodos - uma razão para entrar em contato com um ginecologista.
  • Violações de atividade intestinal na forma de constipação frequente e dor durante a defecação. Este sintoma é de natureza semelhante à micção frequente, só que neste caso os nódulos do mioma podem criar uma barreira à defecação, criando pressão no reto.

Com tamanhos grandes ou o crescimento rápido de miomas, as mulheres podem sentir dor devido à pressão mecânica nos órgãos e terminações nervosas da pelve. Também muitas vezes marcado aumento no tamanho do abdômen. Os efeitos colaterais são dor durante a intimidade, fraqueza, fadiga, perda de apetite, tontura, sinais de anemia.

Miomas com menopausa é perigoso

O corpo de uma mulher na menopausa é fraco e sensível a fatores de risco externos e internos. Muitos pacientes apresentam distúrbios metabólicos graves, o que afeta a aparência e o peso corporal. A imunidade reduzida leva à suscetibilidade a resfriados e doenças virais. Развитие миомы на этом фоне усугубляют патологические процессы и недомогания. Наружные миоматозные узлы приводят к нарушению естественных функций организма – мочеиспускания и дефекации.Os miomas internos exercem uma carga sobre o sistema reprodutivo, que já está sujeito a mudanças drásticas.

Os especialistas também notam esse fator de risco como sangramento. Com uma grande quantidade de miomas, os pacientes apresentam sangramento, o que pode ser confundido com a menstruação. Em tal situação, a mulher não presta atenção às manifestações patológicas, considerando o sangramento normal. No entanto, eles podem ter um efeito extremamente negativo no corpo devido à perda de sangue, e conseqüências graves podem se desenvolver - anemia, atividade cardíaca prejudicada e perda de eficiência.

A condição mais perigosa a qual o mioma pode levar é a necrose (morte celular miometrial). Isso pode ocorrer ao torcer as pernas do nódulo mioma de qualquer localização. No contexto da necrose, ocorrem processos inflamatórios e purulentos.

Miomas uterinos com menopausa: Você precisa de cirurgia para remoção radical?

Não muito tempo atrás, o único método de tratamento cirúrgico de miomas era a cirurgia para remoção radical do útero - histerectomia. Este método envolve a remoção de tumores com o corpo. Tal decisão categórica foi explicada pela ameaça da transformação de tumores em um tumor cancerígeno. No entanto, estudos têm mostrado que miomas em casos extremamente raros, entra em câncer, isso só acontece se houver fatores ameaçadores. A degeneração celular é promovida pela infecção por certas cepas do papilomavírus genital humano, que têm um alto nível de risco de câncer.

A segunda opinião errônea é a afirmação de que, após o início da menopausa, o útero perde seu significado. Estudos mostraram que a remoção radical tem um impacto negativo no trabalho de todos os sistemas do corpo, especialmente nas funções dos órgãos pélvicos. Com a remoção completa do útero é muito alto risco de complicações pós-operatórias, distúrbios endócrinos.

O trabalho das glândulas endócrinas - a glândula tireóide, hipófise, hipotálamo, glândulas supra-renais e glândulas mamárias - é submetido a exposição patogênica. A relação de remoção uterina com o desenvolvimento de câncer de mama é monitorada. Os processos metabólicos da mulher são perturbados, a capacidade de regeneração das células é significativamente reduzida, o que leva ao envelhecimento precoce e ao envelhecimento da pele.

Tratamento de miomas uterinos com menopausa usando o método EMA

A embolização das artérias uterinas é considerada o método mais eficaz e menos traumático para a remoção de linfonodos miomatosos, esta técnica tem sido usada com sucesso em mulheres em qualquer fase da menopausa. Quando a miomectomia existe a possibilidade de deixar pequenos nódulos localizados entre os ligamentos ou na camada muscular do útero, isso atua como uma ameaça ao seu desenvolvimento e crescimento posteriores.

O mioma é alimentado exclusivamente pela grande artéria uterina, que é o máximo. O procedimento de EMA envolve a introdução nas grandes artérias de uma substância embolizante que contém pequenas esferas de polímero. Chegando ao final das artérias que alimentam os tumores, os êmbolos os entopem. Assim, o fibroma perde seu suprimento de oxigênio, o que leva a sua diminuição gradual e morte. O próprio útero recebe oxigênio e nutrientes suficientes através de uma extensa rede de pequenos vasos sanguíneos.

Na maioria das vezes, o agente embolizante é inserido usando um cateter inserido na artéria femoral. Em alguns casos, é preferível introduzir diretamente na artéria uterina através de uma punção na parede abdominal. A escolha da tecnologia é determinada por indicações individuais, localização, tamanho e número de nós miomatosos.

Após o procedimento, a redução e a morte dos miomas ocorrem de forma gradual e indolor para o paciente. Dependendo dos parâmetros das neoplasias, o processo de sua redução leva de vários meses a um ano. De acordo com observações clínicas durante vários meses, os miomas são reduzidos em 40%, durante o ano até as grandes formações perdem até 60% do seu volume.

A EMA é realizada sob anestesia local e não implica em nenhum dano tecidual grave. O procedimento em si leva cerca de meia hora. O período posoperativo não requer observação e reabilitação difícil. Após 1-2 dias, uma mulher pode levar uma vida normal e trabalhar sem sinais de deterioração da saúde.

O procedimento de EMA é realizado por um cirurgião endovascular em clínicas especializadas. O médico deve ter conhecimento de cirurgia vascular e levar em conta as características específicas do suprimento de sangue para o sistema reprodutivo feminino. Em nossas clínicas de EMA, especialistas qualificados conduzem um candidato - mel. Ciências B.Yu. Bobrov, obstetra-ginecologista candidato mel. Sciences D.M. Lubnin Nossos médicos realizaram muitos procedimentos de EMA, têm ampla experiência, aprimoram constantemente suas habilidades, aprimoram seus conhecimentos e habilidades no campo da cirurgia endovascular.

Recursos de desenvolvimento

A menopausa, em certo sentido, é um ponto de virada. Alterações nos níveis hormonais, em alguns casos, provocam um aumento nos tecidos tumorais, em outros, provoca sua completa reabsorção. Na menopausa, o desenvolvimento da doença está associado ao aumento dos níveis de estrogênio e à diminuição dos níveis de progesterona.

Além disso, os especialistas dizem que o risco de um tumor na menopausa aumenta significativamente com um fator hereditário. Então, se em sua família na linha materna já houve casos de educação benigna na menopausa, você deve ter mais cuidado com sua saúde e visitar regularmente um ginecologista para detectar precocemente anormalidades.

É importante! É importante não perder os sintomas da menopausa, confundindo-os com mudanças naturais! Fique atento à sua saúde.

Este desvio é perigoso? O perigo da compactação em si no período da menopausa não é tão grande. A doença é bem tratada e com tratamento oportuno não ameaça a vida do paciente. Mas se você não tratar a doença, ela pode começar a renascer, e então já será uma questão não de um desvio benigno, mas de um câncer. Além disso, a patologia acarreta o perigo de perda excessiva de sangue, que em alguns casos provoca formas graves de anemia.

Quais são as dores?

A dor depende diretamente do estágio de desenvolvimento do desvio. Nas fases iniciais dos miomas com menopausa, não há absolutamente nenhuma dor. Com o desenvolvimento da doença aparecem dor desagradável e exaustiva no baixo ventre. Quando os tecidos modificados atingem grandes parâmetros, é possível o nascimento de um nódulo, que é acompanhado por dor aguda aguda e requer intervenção cirúrgica imediata.

A barriga sempre cresce?

Se o estômago cresce com esta doença é a primeira pergunta, o paciente pergunta ao médico se há suspeita de desvio. Sim, o estômago cresce, mas isso acontece quando a educação já atingiu um tamanho impressionante. Deve notar-se que o crescimento do abdómen é semelhante à gravidez. Ou seja, todo mês a barriga aumenta. Na prática médica, há casos em que um paciente com uma barriga grande vem se registrar com um ginecologista, tendo certeza de que ela está grávida, mas na verdade acontece que não há feto nela.

Interessante O tamanho da educação é determinado em semanas de gravidez. Assim, por exemplo, no cartão do paciente há um registro: A neoplasia corresponde a 6 semanas de gravidez.

Causas

As causas dos miomas durante a menopausa são desconhecidas. Sabe-se apenas que existem fatores que contribuem para a ocorrência desse desvio entre as mulheres com mais de 45 anos, são elas:

  • Hereditariedade. Se a sua família já registrou casos de miomas uterinos durante a menopausa, há uma alta probabilidade de que a doença o ultrapasse. A fim de prevenir a doença, recomenda-se que tais pacientes sejam submetidos a um exame anual por um ginecologista, mesmo na ausência de sinais suspeitos.
  • Aborto cirúrgico. Abortos freqüentes também são fundamentais para o desenvolvimento da doença na menopausa. A razão, neste caso, é danificar a estrutura das paredes da cavidade do corpo.
  • Infecções. Infecções não tratadas com um processo inflamatório também afetam o aparecimento de um tumor na menopausa. Segundo as estatísticas, 30% dos pacientes com este diagnóstico tinham doenças infecciosas crônicas.
  • Falha hormonal. Muitas vezes, alterações hormonais durante a menopausa tornam-se a principal causa de miomas uterinos durante a menopausa. Para evitar o fracasso, você precisa doar sangue para hormônios 1 vez por ano, começando aos 40 anos.
  • Falta de vitamina D. A vitamina D é muito importante para o funcionamento normal da célula. Quando há uma escassez deste elemento no corpo, a célula deixa de desempenhar as suas funções e, como resultado, as vedações fibromatosas desenvolvem-se.

Tipos de miomas

Hoje, os especialistas identificam três tipos principais de miomas durante a menopausa. A classificação é baseada na localização dos selos fibromatosos:

  • Formulário Subseroso. Esta é uma formação benigna nas camadas musculares uterinas. O tumor é hormonalmente dependente. Esta patologia começa sua formação no exterior e progride para a área pélvica.
  • Forma submucosa. Formado sob a camada mucosa. Distribuição ocorre em direção à cavidade intra-uterina. Esta forma da doença é caracterizada pela progressão rápida e uma manifestação vívida do quadro clínico.
  • Forma intramural. O local de formação é a camada muscular. Freqüentemente existem subespécies de doenças submucosas intramurais-subberucas e intramurais, que combinam as características dos dois tipos principais.

O mais perigoso é considerado mioma submucoso do útero durante a menopausa. Nos estágios iniciais de desenvolvimento, ainda é possível seu tratamento médico, entretanto, quando a patologia está em uma forma avançada e é complicada por focos purulentos ou perda abundante de sangue, uma operação é prescrita. Isso remove o órgão inteiro e, às vezes, os ovários.

É importante! A doença pode se comportar de maneira imprevisível e requer monitoramento constante por um especialista!

Métodos diagnósticos

Hoje não há dados exatos sobre se um tumor benigno renasce em um maligno, na menopausa. Nesta matéria, as opiniões dos médicos diferem. Algumas pessoas estão convencidas de que focos de divisão celular descontrolada às vezes aparecem na compactação, e essas células renascem em células atípicas. Outros acreditam que os tecidos não se regeneram para o câncer, e o principal perigo da doença é o sangramento abundante. Independentemente de haver risco de câncer ou não, a doença deve ser diagnosticada em tempo hábil para iniciar a terapia em tempo hábil. O diagnóstico ocorre em vários estágios:

  1. Enquete. Nesta fase, o ginecologista se encontra com todas as queixas da mulher, revela se há uma violação do ciclo menstrual, se encontra com a hereditariedade do paciente.
  2. Exame ginecológico. Nesta fase, o nó subseroso ou submucoso é encontrado no útero de tamanho impressionante. Pequenos nós só podem ser suspeitados na densidade não típica da parede muscular.
  3. Ultra-som. Com a ajuda do sensor intracavitário, o médico examina todas as paredes do órgão e detecta, até mesmo as menores alterações na estrutura dos tecidos.
  4. Doplerografia. Este estudo é necessário para avaliar a possibilidade de progressão do tumor. A compactação, propensa a um crescimento rápido, tem um fluxo sanguíneo pronunciado, tanto no centro como na periferia do selo.
  5. Histeroscopia. Este método é usado para avaliar visualmente a superfície dos miomas uterinos durante a menopausa. O histeroscópio é equipado com uma câmera que leva à cavidade uterina e transmite aos médicos toda a imagem do que está acontecendo.
  6. Raspagem. Este procedimento consiste em raspar uma pequena quantidade de tecido para análise histológica. O estudo ajuda a avaliar o grau de risco de câncer para o paciente.

É importante! Quanto mais cedo a doença for detectada, maior a chance de se fazer sem cirurgia!

Muitas mulheres, acreditando que a doença pode desaparecer após a cessação da menstruação por conta própria, recusam a terapia, confiando no acaso. Você não pode fazer isso porque, quando, por exemplo, o nó submucoso de 7 mm aumenta em 5 mm a alguns centímetros, um nó pode nascer com um sintoma de dor pronunciado. Este fenômeno requer cirurgia imediata e, portanto, é impossível recusar a terapia, mesmo para pequenos tumores.

Miomas uterinos: sintomas e sinais da menopausa

O mioma é uma neoplasia benigna do miométrio (músculos do útero feminino). Variedades são fibrioma e leiomioma (celular). Hoje, a doença mais comum em ginecologia, que ocorre em 12-25% dos casos em relação a outras doenças. Dados não oficiais dizem que esses números podem ser 2-3 vezes maiores. A maioria dos casos ocorre em idade avançada, o risco de miomas durante a menopausa é grande o suficiente.

Os focos são o entrelaçamento de fibras musculares lisas de forma caótica e arredondada, decorrentes da divisão celular inadequada. Os tamanhos dos nós são encontrados principalmente de vários milímetros a vários centímetros. No entanto, existem casos de lesões muito grandes. Assim, na prática médica mundial existe um nó com uma massa de 63 kg.

A doença nem sempre se manifesta sintomas perceptíveis. Suas principais manifestações na menopausa são sangramento (de outra forma, menorragia), sensação de pressão, peso, dor no baixo-ventre. Um aumento no tamanho do tumor leva a uma duração maior e mais longa da menstruação (isso se aplica às formas submucosas), o que, por sua vez, leva a um sintoma secundário - o desenvolvimento de anemia e anemia. Dor no mioma na menopausa, muitas vezes manifestam durante o aumento da menstruação (se eles ainda existem), pode ser cólicas ou permanente, por vezes cortando (em caso de complicação, torcer as pernas do nó abdominal). Pressão no reto, constipação e bexiga (micção freqüente) são muito raras.

Tipos de doença

Independentemente do período de menopausa, os miomas distinguem-se de únicos e múltiplos pelo número de nós, bem como pela sua localização:

  • Submucosa (forma rara). As formações estão localizadas na camada submucosa, às vezes em um talo fino.
  • Intersticial Os nós estão localizados na camada muscular da parede uterina. A forma mais comum é registrada em 50-60% de todos os casos da doença.
  • Subserous com focos localizados no lado externo do útero do peritônio. Ele ocupa o segundo lugar em prevalência.
  • Intraligamentar. Neste formulário, os nós estão entre os pacotes.
  • O pescoço.

O mioma tem uma variedade de manifestações, o tratamento de cada um deles requer uma abordagem individual.

Diagnóstico

O que é mioma perigoso é o seu desenvolvimento assintomático. É por isso que é tão importante não atrasar com visitas oportunas ao ginecologista. Na maioria dos casos, é diagnosticada durante as visitas profiláticas ao ginecologista já durante a sondagem. Neste caso, a principal ferramenta para a detecção precisa de formações é um ultra-som. Além de ultra-som, o médico pode prescrever:

  • ressonância magnética (para diagnóstico diferencial),
  • exame de sangue para hormônios
  • hemograma completo (para detectar processos inflamatórios).

Quando há sinais de miomas na menopausa, eles devem ser descritos detalhadamente na recepção. A presença de tal afeta significativamente o tratamento subsequente.

Terapia Quimica

Entre as drogas, várias drogas confirmaram sua eficácia. Mas sua nomeação é realizada apenas por um médico que irá realizar exames adicionais, conhece todo o quadro clínico da doença. É estritamente proibido escolher e aceitar quaisquer fundos. Tais ações precipitadas podem confundir os sintomas e levar a um agravamento da condição da mulher.

O uso de contraceptivos orais não se mostrou eficaz, portanto não é mais usado para fins de tratamento.

Quando você precisa remover o myoma, você pode intervir de várias maneiras:

  • Histerectomia O tamanho grande dos nós, curso severo e a presença de outras doenças podem ser uma indicação para remoção completa do útero. Atualmente, o método é usado cada vez menos, porque havia outras soluções de alto desempenho menos radicais.
  • Laparoscopia. Remoção precisa de lesões abdominais com pequenas incisões no abdômen.
  • A histeroscopia é usada para se livrar das massas submucosas, inserindo um histeroscópio através da vagina. O caminho mais suave de operações possíveis.

Cirurgia tem suas vantagens e, por vezes, continua a ser o método mais eficaz. Entre as indicações para o seu uso:

  • Sintomas graves (sangramento, dor intensa, desenvolvimento de anemia, interrupção do trabalho de órgãos vizinhos, etc.).
  • Tamanhos de 12 semanas (o tamanho dos nós é comparado com o período de gestação).
  • Forma submucosa.
  • O rápido desenvolvimento da doença com um aumento no tamanho por 2-3 semanas em seis meses.
  • Nós subservosos de pernas altas.
  • Morrendo de focos miomatosos.
  • Mioma na vagina.
  • Se a terapia hormonal não deu resultados positivos.

Embolização

Na medicina, o método de embolização da artéria uterina é amplamente utilizado. Seu significado é parar o fluxo sanguíneo arterial para o tumor. Conduzido pela introdução de material de embolização através da artéria femoral no útero. O material bloqueia o fluxo sanguíneo e as formações são substituídas por tecido conjuntivo ao longo do tempo.

Manipulação é realizada em um raio-x com internação do paciente por um dia.O uso de anestesia não é necessário.

Miomas de ablação FUS

O método de tratamento na menopausa reconhecido em muitos países do mundo, que é altamente eficaz e quase não tem contraindicações, é a ablação por ultra-som focalizado. O processo é um intenso aquecimento direcionado de tecidos doloridos, após o qual ocorre a necrose térmica. O ultra-som é transmitido através da cavidade abdominal, a localização e a temperatura são monitoradas usando a ressonância magnética em tempo real. Vantagens do método:

  • nenhum dano aos tecidos adjacentes
  • não requer hospitalização
  • ferramentas não são inseridas no corpo,
  • os pacientes não precisam de alívio da dor,
  • o risco de complicações subsequentes é mínimo.

A única característica do tratamento do FUS é a seleção cuidadosa dos pacientes. Porque Se apenas os tecidos conjuntivos forem aquecidos até a temperatura desejada e subsequente necrose, então os fibriomas podem ser eliminados. Mas os leiomiomas, ou celulares, não podem ser aquecidos devido ao suprimento abundante de sangue e à falta de um substrato aquecido. Este tipo de tratamento de preservação de órgãos também é aplicável com a finalidade de:

  • prevenção de manifestações sintomáticas (recusa de táticas de espera),
  • preparação para a operação (reduz a probabilidade de complicações),
  • atrasando a solução operacional do problema.

Métodos de tratamento indireto

O corpo feminino é um organismo único, porque o tratamento de miomas com menopausa requer uma abordagem integrada. Assim, você deve evitar situações estressantes que levam a uma violação do ciclo, a ocorrência de gravidezes ectópicas, com a ajuda de dietas especiais para evitar o acúmulo excessivo de peso corporal. Além disso, é necessário corrigir os distúrbios hormonais em tempo hábil e tratar doenças inflamatórias e não inflamatórias dos ovários e do útero, bem como qualquer outra que afete as condições gerais do corpo e reduza a imunidade.

Existem muitas receitas relacionadas aos métodos folclóricos e à chamada terapia visceral. No entanto, você não deve confiar apenas neles.

Tratamento da menopausa com mioma

Quando os miomas são detectados durante a menopausa, a observação de um ginecologista é necessária pelo menos duas vezes por ano.

Porque o crescimento de nódulos não saudáveis ​​depende diretamente do hormônio estrogênio e a doença geralmente ocorre em mulheres em idade reprodutiva, não devendo estar associada ao início do envelhecimento. O tratamento para a menopausa na maioria dos casos não é diferente, exceto por uma abordagem cuidadosa para a nomeação da terapia de reposição hormonal.

A reposição de hormônios só é possível mediante a indicação de um especialista qualificado que tenha estudado cuidadosamente o quadro completo da saúde, levando em consideração o possível risco de piorar a situação. Nos casos em que tal tratamento ainda é prescrito, o médico necessariamente mantém um monitoramento constante das mudanças que ocorrem no tecido muscular uterino.

Mas o tratamento sintomático direcionado é bastante apropriado, isso inclui:

  • Nomeação de complexos vitamínico-minerais para manter os processos metabólicos normais e a saúde geral.
  • Tomar sedativos para aliviar os saltos no humor saltando, melhorar o sono, aliviar dores de cabeça.
  • Possível receber remédios de ervas destinadas a suavizar o difícil período de reestruturação do corpo.

Dieta com mioma é a mesma que na menopausa. Esta é a rejeição de alimentos fritos e gordurosos pesados, a substituição de manteiga por óleo vegetal, um aumento na quantidade de vegetais e frutas na ração diária, leite e produtos lácticos, a rejeição do uso freqüente de bebidas alcoólicas, café, chá preto. Para o funcionamento normal de todos os órgãos internos, é necessário beber 1,5-2 litros de líquido por dia. Além da água, isso inclui sopas, chás de ervas, compotas e sucos sem açúcar.

O estilo de vida também deve sofrer uma mudança. Se você levou uma vida muito ativa antes, talvez precise relaxar, descansar com mais frequência e não sobrecarregar o corpo e a psique. No entanto, isso não significa baixa mobilidade. Caminhadas, ciclismo, yoga, fitness leve sob a orientação de um instrutor, viagens de campo serão definitivamente beneficiados.

Em relação à cura da patologia, o prognóstico é desfavorável - os miomas não podem desaparecer durante a menopausa. Não representa uma ameaça à vida, com a abordagem certa não é perigoso. Com manifestações da síndrome da menopausa, não está associado. Exames ginecológicos regulares de um médico experiente com exame citológico e ultrassonografia permitem detectar violações no estágio inicial e aplicar o tratamento mais apropriado. Obtenha uma consulta especializada gratuita ou marque uma consulta com ele aqui http: //45plus.rf/registration/.

Sintomas durante a menopausa

O desenvolvimento de miomas pode começar em muitas mulheres antes da menopausa. Mas, devido à ausência de sinais da doença, os pacientes não estão cientes de sua existência. Durante a menopausa, ela começa a se manifestar. Na maioria das vezes, o diagnóstico é feito quando a educação é grande e complica.

Menorragia por mioma uterino

Para sintomas a aparência dos miomas pode ser atribuída a:

  1. Distúrbios no ciclo menstrual. Muitas mulheres acham que isso é normal e é causado pela menopausa que se aproxima, mas é melhor se proteger e consultar um ginecologista.
  2. Spotting entre os períodos.
  3. Descarga abundante e dor durante a menstruação, a própria menstruação dura mais do que o habitual.
  4. Dor abdominal inferior. Na maioria das vezes fraco, mas com períodos de cãibra durante os quais a dor se torna aguda e severa.
  5. Problemas Digestivos Aparece inchaço, constipação.
  6. O abdômen aumenta de tamanho.
  7. Necessidade freqüente de urinar.
  8. Em alguns casos, os sintomas da anemia aparecem devido à grande perda de sangue. Eles manifestam fraqueza, fadiga, tontura.

Manifestações clínicas de miomas uterinos

Todos esses sinais são geralmente tomados por mulheres no período pré-menopausa, não atribuem muita importância a eles e não recorrem a um ginecologista. Assim, seriamente iniciar a doença.

O período da menopausa é acompanhado por uma séria mudança nos níveis hormonais. É por isso que neste momento manifestam muitas doenças, incluindo miomas uterinos. Então, as principais razões incluem:

  1. Alterações nos níveis hormonais. O aparecimento de miomas é afetado pelo hormônio estrogênio, assim como a progesterona, que aumenta durante a menopausa.
  2. Predisposição hereditária
  3. A presença de doenças endócrinas.
  4. Infecções que são acompanhadas por inflamação.
  5. Uma história de aborto e outras operações que traumatizam o útero.
  6. Avitaminose. Ingestão insuficiente de vitamina D leva ao rompimento das funções celulares e à formação de linfócitos fibromatosos na parede muscular do órgão.

Fatores de risco para miomas uterinos

Nota! Muitas vezes a doença é observada em pacientes com diabetes e obesidade.

Medicamentoso

O tratamento medicamentoso pode ser usado nos seguintes casos:

  • a ausência de sintomas e a presença de sintomas menores da doença,
  • crescimento lento de nó
  • aumento moderado do útero
  • tamanho dos miomas com menos de 12 semanas
  • arranjo subseroso ou intramural de nós
  • a ausência de doenças de órgãos vizinhos.

Métodos de tratamento de miomas uterinos

Tratamento hormonal e não hormonal separado de miomas com medicamentos.

Hormonal

O tratamento hormonal visa reduzir o tamanho dos nódulos do mioma, assim como a regressão dos sintomas clínicos. Os seguintes medicamentos são usados ​​para tratamento hormonal.

Causas de miomas uterinos com menopausa

Miomas uterinos ou miomas são uma doença benigna do útero, que é acompanhada por uma alta atividade proliferativa das células do miométrio com a formação de uma estrutura volumosa na cavidade uterina. Esta doença é dependente de hormônios, ou seja, o estímulo de tal reprodução ativa são os hormônios sexuais femininos.

Portanto, a principal razão pode ser considerada um desequilíbrio hormonal, que ocorre com o início da menopausa, portanto, o desenvolvimento dessas doenças é mais comum na menopausa.

Na patogênese, o papel principal no desenvolvimento de miomas uterinos na menopausa pertence à violação dos níveis hormonais. Durante a menopausa, o nível de estrogênio diminui, seu efeito regulador na primeira fase do ciclo menstrual é reduzido, o que é acompanhado por uma diminuição no processo de proliferação celular endometrial. Isso, por sua vez, implica um aumento compensatório na proliferação de células miometriais, que é acompanhado por hiperplasia dessas células com o desenvolvimento de diferentes tipos de miomas uterinos. Se as fibras do tecido conjuntivo predominam na estrutura da neoplasia benigna, então elas falam do conceito de fibromioma. Clinicamente, estas duas formas não são diferentes, tal diferenciação só é possível de acordo com o exame histológico.

Há outro número de causas associadas ao desenvolvimento de miomas durante a menopausa, um grupo de causas não hormonais. A base dessas todas as causas é a involução fisiológica natural das células miometriais durante a menopausa em uma mulher, que é acompanhada por alterações no metabolismo das células miócitos, suas alterações antigênicas. Ao mesmo tempo, os processos normais de crescimento e reprodução celular, com uma tendência crescente de proliferação, podem ser perturbados, e citocinas específicas e fatores de crescimento vascular são formados, o que adicionalmente estimula a diferenciação patológica excessiva dessas células. Como resultado, há uma divisão descontrolada das células, sua reprodução e um aumento no volume do miométrio, que pode ser local ou difuso. Se a influência de fatores etiologichesky continuar, então myoma rapidamente cresce e aumenta no tamanho, o que exige algumas táticas de tratamento. Dependendo de onde o foco primário das células patológicas, que iniciou sua divisão anormal, está localizado, o crescimento do tumor pode ser difuso - sobre toda a superfície do miométrio com um aumento uniforme em todo o útero, bem como local - então um nódulo de mioma é formado. Este local também pode ser localizado de diferentes formas - submucosa, subserosa e intramural, o que afeta as características clínicas da doença nessas diferentes formas. Pode haver um número diferente de tais nós e, dependendo disso, um único mioma nodular e um múltiplo mioma nodular são distinguidos.

Esses são os principais mecanismos patogênicos que influenciam o desenvolvimento de miomas uterinos durante a menopausa.

Sintomas de miomas uterinos com menopausa

Miomas uterinos podem começar em uma mulher antes do início do período do climatério e, com o início da menopausa, a clínica pode se desenvolver ativamente. Muitas vezes há um curso assintomático de miomas uterinos, até que a educação se torne enorme ou que ocorram complicações. Por isso, muitas vezes este diagnóstico faz-se já no pico do desenvolvimento do quadro clínico.

Sabe-se que o clímax em seu curso tem várias etapas:

  1. pré-menopausa - um período de 45 anos antes da menopausa,
  2. menopausa - o período da última menstruação, a idade média é de cerca de cinquenta anos,
  3. A pós menopausa é o período da última menstruação até o final da vida de uma mulher.

Se os miomas uterinos começarem no período pré-menopausal, podem surgir sintomas de um ciclo menstrual, que está associado a uma ruptura da estrutura do endométrio devido à presença de nós ou a alterações iniciais nos níveis hormonais. Nesse ponto, dada a idade, uma mulher pode não prestar atenção suficiente a esse estado, já que essas violações do ciclo ovario-menstrual podem ser explicadas pelo início da menopausa. Mas deve ser lembrado que, em tal caso, pelo contrário, é necessário consultar um médico para que ele confirme ou refute os pensamentos sobre o clímax. Afinal, o diagnóstico precoce dos miomas é muito melhor tratado.

Os primeiros sinais de miomas uterinos com menopausa também podem ser variados - sangramento, dor abdominal ou sensação de peso na pelve, relações sexuais prejudicadas, diminuição da libido, função prejudicada da bexiga ou do reto, anemia por deficiência crônica de ferro secundária. Esses sintomas geralmente já aparecem com volumes significativos de miomas precisamente porque o curso é assintomático. Existem algumas características da fibrose uterina clínica com menopausa, dependendo da localização e forma de educação.

Com forma nodular de miomas uterinos manifestações clínicas são diretamente dependentes da localização do local. Com a formação de nodos subserosos, a função menstrual não é prejudicada se for armazenada na pré-menopausa. A clínica do abdome agudo é freqüentemente observada, uma vez que tais linfonodos são muito instáveis ​​em sua posição e podem se deslocar, formando torção ou necrose do tronco nodal. Às vezes a dor não é aguda, mas monótona, dolorida, constante, se o nódulo irrita o peritônio ou as terminações nervosas, então também pode haver um peso no abdômen. Se nó mioma subseroso de tamanho considerável, pode causar uma síndrome de compressão dos órgãos vizinhos com a dificuldade do ato de defecar durante a compressão do reto, com dificuldade de urinar ou reatividade da bexiga, e a compressão pode romper o fluxo de sangue venoso e linfático com a formação de congestão na pelve e o desenvolvimento de hemorróidas. Não raramente, com a localização subserosa do linfonodo fibromatoso no mioma uterino durante a menopausa, os sintomas neurológicos locais são observados devido à compressão das estruturas nervosas com o desenvolvimento de distúrbios como parestesia ou osteocondrose da coluna lombar. Então, é muito importante diagnosticar corretamente a patologia e não tratar esses distúrbios neurológicos.

Com local submucoso a clínica é menos pronunciada em termos de sintomas de compressão, mas as manifestações locais são mais pronunciadas. Metracragia pode ser observada, mesmo se não houver períodos mensais para a menopausa, então essas secreções podem aparecer em caso de mioma uterino durante a menopausa. Essas secreções são dolorosas, acompanhadas de dor no abdome inferior. Descarga com mioma uterino durante a menopausa também pode ser no caso de infecção do nódulo, em seguida, uma inflamação infecciosa se desenvolve com uma descarga verde-amarelo com um odor desagradável, que também é acompanhado por sintomas de intoxicação.

Outra localização frequente do nódulo do mioma uterino durante a menopausa é Intraligamentar - entre os ligamentos do útero e ovários. Neste caso, a clínica de tal local será acompanhada por sintomas da compressão dos mochetochnik com o desenvolvimento possível de cólica renal, hydronephrosis, pyelonephritis. O diagnóstico de tal nó é muito problemático.

Como para forma difusa de miomas uterinosentão esta forma é na maioria das vezes assintomática, devido à sua localização na espessura do miométrio e o mesmo aumento em todo o útero. Em seguida, o útero aumenta de tamanho e a mulher pode sentir um aumento no abdômen ou uma pressão desagradável na pelve. Tal myoma muitas vezes consegue um grande tamanho e o seu tratamento é então radical. Portanto, um exame de triagem ginecológica abrangente é necessário, mesmo durante a menopausa.

Estas são as principais manifestações clínicas dos miomas uterinos na menopausa e deve-se prestar atenção a qualquer sintoma semelhante para diagnóstico e tratamento oportunos.

Complicações e conseqüências

As principais complicações que podem ocorrer no mioma uterino são o sangramento na posição submucosa do nódulo do mioma, que requer ação médica imediata, infecção do nódulo do mioma, que requer terapia antiinflamatória. As complicações também podem surgir na forma do “nascimento” de um nódulo de mioma localizado submucoso ou com sua necrose, que é acompanhada por sintomas de um abdome agudo e requer ação terapêutica imediata e diagnóstico diferencial oportuno.

Diagnóstico diferencial

O diagnóstico diferencial de miomas uterinos com menopausa no caso de uma manifestação clínica na forma de sangramento deve ser realizado com tumores malignos do útero - câncer endometrial. O câncer de endométrio é caracterizado pelo aparecimento de sangramento apenas alguns anos após o início da menopausa. Mas o sangramento uterino periódico é característico de miomas uterinos, e o exame define claramente o nódulo. Em caso de dúvidas sobre a natureza da formação no útero, realiza-se a curetagem diagnóstica da cavidade do útero com o exame histológico deste material, que permite estabelecer com precisão a natureza benigna ou maligna da formação. Além disso, o diagnóstico diferencial deve ser realizado com um cisto do útero. Quando cisto ultra-som tem estrutura anecóica, forma oval, bordas claras com uma cápsula fina e conteúdo uniforme. O nódulo miomatoso também é anecóico, mas é heterogêneo e corresponde em densidade ao miométrio, geralmente tem uma perna e é bem suprido de sangue, diferentemente de um cisto que é avascular.

O nódulo miomatoso também precisa ser diferenciado com endometriose interna, que também pode ser acompanhada pela formação de sítios miomatosos na cavidade uterina. Mas, com a endometriose, há um histórico característico de sangramento que corresponde à menstruação e o mioma uterino durante a menopausa não apresenta sangramento regular. Você pode verificar com precisão esses dois diagnósticos com a ajuda da histologia, porque muitas vezes eles podem ser combinados no mesmo útero.

Учитывая период климакса, то есть не молодой возраст женщины, то необходимо тщательно проводить диагностику миомы матки и дифференциальную диагностику, поскольку возможны разные злокачественные процессы в этом возрасте, которые необходимо диагностировать как можно раньше с началом соответственного лечения.

Prevenção

O método de profilaxia específica do desenvolvimento de miomas uterinos - impedindo a formação de condições de homeostase hormonal, em que ocorre o hiperestrogenismo local:

  • prevenção de gravidez ectópica
  • prevenção constante de situações de estresse crônico que contribuem para distúrbios metabólicos e ciclo ovario-menstrual,
  • diagnóstico oportuno e correção do insucesso da segunda fase ovariana,
  • tratamento oportuno e adequado de doenças dos ovários e útero de etiologia inflamatória e não inflamatória,
  • correção oportuna de desequilíbrios hormonais associados à interrupção do sistema hipotalâmico-pituitário-ovariano.

A fim de prevenir doenças pré-cancerígenas e tumores do útero, recomenda-se a realização de exames profiláticos para mulheres com menos de 30 anos uma vez por ano, após 30 anos, duas vezes por ano com exame citológico dos conteúdos do canal cervical, ultra-som, tratamento atempado de doenças detectadas.

O prognóstico do mioma uterino para recuperação é desfavorável, uma vez que o próprio mioma não é capaz de regressão completa e favorável à vida, pois não é maligno e não é perigoso com o tratamento adequado.

Miomas uterinos com menopausa são patologias frequentemente assintomáticas, mas exames regulares permitem que você faça um diagnóstico a tempo. Às vezes, existem complicações sérias que precisam ser prevenidas pelo tratamento oportuno de miomas uterinos, especialmente durante a menopausa. O tratamento dos miomas uterinos com a menopausa pode ser médico e operacional, o que é resolvido individualmente em cada caso. Às vezes, use tratamento complexo sob a forma de uma combinação de vários métodos. Você precisa cuidar de sua saúde e entrar em contato com um médico em tempo hábil se tiver alguma reclamação.

Por que os miomas uterinos com menopausa são patologias freqüentes

Fibromioma, leiomioma e mioma uterino são nomes sinônimos para um tumor benigno que se forma no miométrio (camada muscular uterina). O principal documento de classificação do sistema internacional de saúde CID-10 (Classificação Internacional de Doenças) classifica esta doença como classe II “Neoplasias”, uma subclasse de “Tumores benignos”, bloco “Leiomioma uterino”.

Por prevalência entre formações tumorais, o fibroide assume uma posição de liderança. As estatísticas mostram a ocorrência deste tipo de patologia em 25-50% de todas as mulheres durante o período reprodutivo. O leiomioma é um dos tumores raros que se desenvolvem de forma independente. A formação de uma neoplasia começa com a divisão descontrolada de uma única célula defeituosa, que cresce até um nó com um diâmetro de vários milímetros até um tamanho impressionante.

A maioria das declarações científicas se resume a provar a incapacidade dos miomas degenerarem em educação maligna. Os resultados das observações e estudos indicam que o fibromioma é um tumor hormônio-dependente, o que é confirmado pelos seguintes fatos:

  • a presença de um grande número de receptores que são sensíveis às substâncias biologicamente ativas produzidas pelas glândulas sexuais (a densidade dos receptores é significativamente maior do que nos tecidos do miométrio normal),
  • um aumento na incidência de desenvolvimento tumoral durante um período de altas hormonas esteróides (estrogénio) no sangue de uma mulher,
  • regressão do leiomioma após o nível de estrogênio diminuir para os seus valores mínimos (após a menopausa),
  • a capacidade do fibromioma de converter andrógenos (hormônios sexuais masculinos, produzidos em pequena quantidade pelos ovários) em estrogênios devido ao alto conteúdo da enzima citocromo p450 aromatase.

Miomas no período da menopausa foram anteriormente considerados raros devido à associação estabelecida de altos níveis de estrogênio e o risco de formação de linfonodos fibrosos. O término da produção hormonal na menopausa, na maioria dos casos, causa a interrupção do crescimento das células musculares do miométrio e até o desaparecimento dos nódulos previamente formados. Atualmente, um aumento no número de mulheres nas quais o leiomioma é detectado durante a menopausa revelou a necessidade de reconsiderar a opinião estabelecida. Os médicos associam o risco de desenvolver um tumor na menopausa com tais fenômenos:

  • distúrbios hormonais pré-menopáusicos,
  • enfraquecendo a atividade das células imunes,
  • manifestação no contexto da imunidade reduzida de doenças contagiosas e inflamatórias que estavam anteriormente em um estado latente.

O crescimento dos nódulos de mioma é estimulado por hormônios, mas eles não são um catalisador para o processo do tumor. Uma das teorias sobre a primazia das alterações hormonais em relação ao mioma é que a dependência desses fenômenos pode vir a ser o oposto. Identificar com precisão as causas do aparecimento de células defeituosas durante a menopausa, a medicina moderna ainda não é capaz, mas durante muitos anos de observação da etiopatogenia da doença, os fatores mais prováveis ​​que potencializam o aparecimento da patologia foram identificados.

Sintomas de miomas uterinos com menopausa

As características morfológicas dos miomas determinam a natureza das manifestações clínicas da doença. Com neoplasias pequenas e nos estágios iniciais da doença, os sintomas óbvios podem estar ausentes (cerca de 30% das mulheres aprendem sobre a presença de patologia apenas durante um exame ginecológico). O principal sintoma de leiomioma em pacientes em idade reprodutiva é uma violação do ciclo menstrual. Durante o período pré-menopausal, as manifestações da patologia podem ser percebidas como falhas de sangramento menstrual, que são normais para o estado atual.

Durante a menopausa e durante a menopausa, os sintomas da doença diferem pouco de uma condição semelhante em pacientes em idade reprodutiva. As principais manifestações típicas da patologia são:

  • sangramento uterino pesado,
  • dor no baixo ventre, que pode irradiar para as pernas e região lombar,
  • distúrbio intestinal (constipação),
  • dores de cabeça freqüentes
  • perturbações disuricas (aumento da micção),
  • disparinúria (dor durante a relação sexual).

Na maioria dos casos, o crescimento das formações patológicas ocorre lentamente, o que leva a uma gradual habituação ao desconforto e retardando a visita ao médico. O crescimento rápido do tumor leva a um rápido aumento na gravidade dos sintomas da doença, que se manifesta na forma de aumento da dor, desenvolvimento de anemia, aumento do volume do abdômen com massa corporal constante. Se o nó formado tem uma "perna" - sua torção é possível, o que leva ao desenvolvimento de necrose do corpo do nó e ao aparecimento de sintomas agudos (dor aguda, desmaios).

As manifestações clínicas do fibromioma podem diferir dependendo da localização do tumor, seu tamanho e o número de crescimentos musculares fibrosos formados. A natureza das sensações dolorosas pode variar mesmo com o mesmo tipo de doença (depende das características individuais do organismo). As características distintivas mais características de várias formas de miomas, desenvolvidas nos períodos de menopausa e pós-menopausa, são:

Violação da funcionalidade dos órgãos pélvicos devido ao aumento da pressão sobre eles dos tumores, dor constante no abdômen.

Sangramento abundante (em alguns casos incessante), anemia, dor são pronunciadas cólicas na natureza. Adicionando uma infecção leva a corrimento vaginal com uma cor amarelo-verde e um odor desagradável.

A sintomatologia é semelhante ao tipo submucous, diferencia-se em bleedings mais abundantes.

Síndrome de dor aguda devido à tensão do aparelho ligamentar do útero e irritação das terminações nervosas localizadas na pequena pelve com um tumor de aumento. Sensações dolorosas são notadas no abdome inferior e na parte inferior das costas.

Moderadamente desconfortável, sem síndrome de dor pronunciada, um aumento no volume do abdome sem uma mudança no peso corporal.

As queixas mais freqüentes são cólicas renais, que estão associadas ao espremer dos ureteres e à dificuldade em urinar, ao desenvolvimento de hidronefrose (expansão da pelve renal).

Tratamento de miomas com menopausa

Ao prescrever o tratamento de miomas em pacientes durante a menopausa, os resultados do diagnóstico e do estado geral do paciente são levados em consideração. Com um tumor de crescimento lento, tamanho pequeno dos linfonodos (até a "12ª semana de gestação") e a ausência de complicações, a terapia específica não é necessária. Neste caso, a observação sistemática por um ginecologista mostra-se com o objetivo da detecção oportuna de modificações patológicas.

Se houver uma sintomatologia pronunciada e sinais indicando a dinâmica de crescimento das formações - as táticas de tratamento são determinadas com base no tamanho das bobinas fibroso-musculares e suas taxas de crescimento. A terapia é realizada por um dos dois métodos - conservador ou radical (cirúrgico). Indicações para a nomeação de tratamento econômico para a menopausa são:

  • neoplasma de tamanhos não superiores a 2 cm de diâmetro,
  • tipo intersticial de patologia,
  • localização intramural, subserosa de formações que não têm uma “perna”,
  • falta de células atípicas e complicações
  • crescimento lento do tumor,
  • a presença de contra-indicações para a cirurgia.

A forma sintomática de miomas requer o uso de tratamentos mais radicais. Se a doença começa a mostrar sinais perturbadores - isso indica um grave distúrbio no corpo e a disseminação do processo patológico para outros órgãos. Quando a menopausa ocorre no contexto de alterações hormonais e mudanças no trabalho de muitos sistemas, podem surgir situações que exijam intervenção cirúrgica para preservar a vida e a saúde do paciente. As indicações para o tratamento da via operatória dos miomas incluem:

  • formações tumorais volumosas que interferem no funcionamento dos órgãos adjacentes,
  • tipo de patologia submucosa,
  • o rápido crescimento de células defeituosas (4 ou mais semanas por ano),
  • sangramento uterino pesado,
  • torção do tronco nodular, a morte do tecido crescimento fibroso-muscular,
  • o nascimento de um nó na camada submucosa do útero,
  • combinação da doença com endometrite ou endometriose,
  • a presença de suspeitas quanto à possibilidade de malignidade do tumor.

Terapia medicamentosa

A base do tratamento não cirúrgico de miomas uterinos é a medicação, cujo objetivo é inibir o crescimento de células tumorais e prevenir o desenvolvimento de complicações. A medicina moderna ainda não pode oferecer um remédio com o qual você possa curar completamente o leiomioma, de modo que os princípios da terapia medicamentosa para a menopausa são os seguintes:

  • O alívio e a prevenção de processos inflamatórios e infecciosos,
  • ativação da defesa imunológica do corpo,
  • estabilização do sistema endócrino,
  • normalização do estado psico-emocional dos pacientes,
  • pare de sangrar,
  • prevenção do desenvolvimento e tratamento da anemia.

As tarefas são alcançadas através do uso de drogas de origem hormonal e não hormonal. A primeira categoria de medicamentos visa parar o crescimento, reduzir o tamanho dos tumores e minimizar a gravidade das manifestações clínicas da doença. O segundo grupo de medicamentos é prescrito para normalizar as funções de todos os órgãos e sistemas, prevenir o desenvolvimento de complicações e melhorar o estado geral do paciente. Os medicamentos hormonais mais utilizados no tratamento do leiomioma incluem:

Agonistas liberadores de gonadotropina

Reduzir o tamanho de formações semelhantes a tumores devido à supressão da produção de hormônios gonadotróficos, reduzindo a probabilidade de perda de sangue, preparação pré-operatória.

A administração intramuscular do fármaco (3,75 mg) é realizada mensalmente durante pelo menos 3 e não mais do que 6 meses.

A administração subcutânea da droga (3,6 g) na parede abdominal anterior é realizada 1 vez em 28 dias por seis meses.

Administração intranasal (no nariz) 1 dose para a narina é feita de manhã e à noite. O curso do tratamento durante 6 meses.

Antagonistas de hormônios gonadotróficos

Regressão de focos tumorais suprimindo a produção de hormônios hipofisários (folículo estimulante, luteinizante), inibindo a atividade dos ovários, suprimindo a proliferação de linfócitos. Tem um efeito supressor no crescimento das células dos tecidos endometriais (tanto defeituosos como normais).

O medicamento é tomado por via oral em 400-800 mg por dia, a duração do tratamento é de 24 semanas.

Medicamentos progesterona

Agentes antiproliferativos que suprimem a liberação de hormônios gonadotróficos. Contribuir para a atrofia do epitélio, o que leva a uma diminuição dos nódulos miomatosos.

Via de administração oral. A ferramenta deve ser tomada de manhã e à noite durante 5-10 mg durante 6 meses.

Sistema intra-uterino Mirena (Levonorgestrel)

Introdução ao útero, a eficiência é mantida por 5 anos.

Via oral ou intramuscular de administração. Comprimidos tomados 2-3 pedaços. duas vezes por dia, as injeções são realizadas 1-2 vezes por semana. Curso terapêutico dura 6 meses.

Os comprimidos são prescritos em uma dose diária de 5-10 mg, a medicação dura até seis meses.

Modulador do receptor da progesterona

Esmia (acetato de ulipristala)

Proporcionando um efeito direto sobre o endométrio e miomas, a supressão da proliferação de células patogênicas, a indução de morte celular programada (apoptose).

A droga é tomada por via oral em 1 comprimido por dia, a duração do tratamento não deve exceder 3 meses.

Juntamente com a terapia hormonal, medicamentos de outros grupos são prescritos para ajudar a eliminar os sintomas da doença, prevenir complicações e tratar doenças concomitantes que agravam o curso dos miomas. Os medicamentos não hormonais usados ​​para tratar um tumor benigno incluem:

  • uterotônicos - são prescritos para reduzir a perda de sangue,
  • coagulantes - mostrados para alívio de sangramento,
  • antioxidantes - restaurar processos celulares metabólicos,
  • agentes antiplaquetários - contribuem para a normalização da circulação sanguínea, reduzindo a capacidade das plaquetas e glóbulos vermelhos
  • antiinflamatórios não-esteróides - têm efeito analgésico, impedem o desenvolvimento de processos inflamatórios,
  • antiespasmódicos - reduz a gravidade da dor, relaxando os tecidos do espasmo,
  • vitaminas, preparações de ferro - restauração do nível de hemoglobina durante a anemia, estimulação da regeneração celular, fortalecimento geral do sistema imunológico,
  • sedativos - estabilização do equilíbrio psicoemocional,
  • remédios homeopáticos - um efeito complexo sobre o corpo, a normalização do trabalho de todos os órgãos e sistemas, são utilizados como métodos auxiliares de tratamento.

Intervenção operativa

O mioma na menopausa requer uma abordagem individual para o tratamento da patologia e monitoramento médico constante da condição do paciente. A viabilidade de usar terapias radicais deve ser apoiada por toda a pesquisa necessária. A realização de operações poupadoras de órgãos no tratamento de leiomiomas em mulheres em idade reprodutiva deve-se à necessidade de preservar a fertilidade. Durante a menopausa, a capacidade do organismo de reproduzir a prole desaparece, mas isso não significa que a remoção dos órgãos genitais internos seja segura para o paciente.

A excisão do útero é um estresse poderoso para o corpo da mulher, o que pode afetar negativamente seu bem-estar e estado mental. O uso de métodos radicais do tratamento deve executar-se se a eficácia predita de outros métodos for muito pequena. As intervenções mais traumáticas com a ajuda de que a eliminação completa de nós de myoma se consegue:

  • amputação supravaginal do útero,
  • histerectomia subtotal com excisão do canal cervical,
  • extirpação
  • Panisterectomia.

Todos os tipos de intervenções radicais envolvem um estágio preparatório obrigatório para cirurgia e reabilitação pós-operatória. Na prática ginecológica, a ressuscitação de órgãos é usada cada vez menos, preferindo técnicas minimamente invasivas que preservam órgãos.. Para remover (exfoliating) nós myomatous durante a menopausa, tais métodos cirúrgicos modernos são usados ​​como:

  • miomectomia
  • embolização da artéria uterina (EMA),
  • Ablação FUS,
  • histerectomia de linfonodos com ablação endometrial,
  • crioterapia transabdominal,
  • miólise

Escolhendo um ou outro método de intervenção, o médico procede da presença de indicações e contra-indicações à manipulação. Os desejos do paciente são levados em conta, mas não são um fator determinante na indicação de um método de tratamento. As características dos diferentes tipos de procedimentos cirúrgicos para remoção de tumores na menopausa são:

  1. Amputação supra-vaginal (histerectomia subtotal) - excisão do útero com preservação do colo do útero. Após a remoção do órgão, os pontos são aplicados no coto. Проведение операции целесообразно при отсутствии патологических процессов в шейке, при климаксе методом выбора является субтотальная гистерэктомия с удалением придатков.
  2. Субтотальная гистерэктомия с иссечением цервикального канала – операция по удалению тела и канала шейки матки. Метод предполагает выполнение манипуляций полостным или лапараскопическим способом. Essa é a variante mais traumática do tratamento cirúrgico dos miomas, acompanhada de perda maciça de sangue e dor intensa no período pós-operatório.
  3. Extirpação do útero - excisão do útero com o pescoço. Indicações para cirurgia é a falta de dinâmica positiva da terapia conservadora em curso.
  4. Pan-histerectomia (ou histerossalpingovariectomia) é um tipo de histerectomia total, que envolve a amputação de um órgão com trompas de falópio e ovários.
  5. A miomectomia é uma operação de preservação do órgão na qual ocorre a esfoliação dos nódulos do mioma, mas o útero é preservado. As manipulações são realizadas usando um histeroscópio (para remover formações submucosas), laparascope (com nós subserosos ou intramurais) ou incisões abdominais no abdômen e no útero.
  6. EMA é um método minimamente invasivo de tratamento de um tumor na menopausa, baseado no bloqueio do fluxo sanguíneo nos vasos que alimentam a massa tumoral. O procedimento envolve a administração através da artéria femoral de uma substância específica que obstrui a artéria e causa infarto do miocárdio.
  7. A ablação FUS é um método não cirúrgico para a destruição de miomas. O método baseia-se na ação remota de ondas ultrassônicas focalizadas. O resultado do aquecimento de alta intensidade das áreas dos tecidos locais é a necrose térmica (morte do tumor). Essa técnica é experimental, mas já é muito popular em muitos países devido à probabilidade mínima de complicações (menos de 0,05%).
  8. A histerectomia de nódulos com ablação endometrial é um tipo de intervenção que resseca os nódulos submucosos ao inserir um histeroscópio. O método envolve a raspagem e a queima da membrana mucosa, que é repleta de complicações.
  9. A crioterapia transabdominal é um método experimental minimamente invasivo baseado na introdução de uma amostra criogênica em neoplasias patológicas (agulhas especiais através das quais o agente de congelamento entra). Quando o cryosystem é ativado, o nó é destruído. Manipulações são realizadas sob o controle da ressonância magnética.
  10. Miólise, criomiolise - remoção de miomas e cauterização dos vasos alimentando-a com corrente, laser (mólise) ou nitrogênio líquido (criomiolise) através da abordagem laparoscópica. Este método é raramente usado devido à falta de informações sobre seus efeitos a longo prazo.

Receitas populares

Métodos não tradicionais de tratamento na presença de formações fibro-musculares no miométrio durante a menopausa podem ser usados ​​apenas com tamanhos pequenos de miomas e a ausência de sintomas pronunciados. Abandonar a terapia tradicional em favor de métodos populares é extremamente perigoso se houver indicações de intervenção cirúrgica ou quando a dinâmica do crescimento do linfonodo é observada.

O objetivo dos métodos de medicina não tradicionais é prevenir a inflamação e a inibição dos processos tumorais, o que é conseguido através do uso de plantas medicinais com propriedades adequadas ou produtos apícolas (própolis).. Os componentes mais utilizados nas receitas folclóricas são:

  • tônico, tônico - celandine, suco de bardana, folhas de aloé, motherwort, raiz de martin,
  • antiinflamatório - suco de batata, calêndula,
  • estabilizadores hormonais - orthilia unilateral (útero de boro), sementes de linho,
  • anticâncer - cicuta, acônito (lutador), heléboro (todas as plantas acima são venenosas, portanto, a auto-preparação de remédios de ervas com base nelas não é recomendada),
  • hemostática - urtiga, bolsa de pastor, cravo, bérberis, burnet.

O tratamento dos miomas em casa pode ser realizado por meio de uso interno de medicamentos, duchas ou a introdução de tampões embebidos em composição médica na vagina. A hirudoterapia é outra maneira de se livrar dos linfonodos fibrosos durante a menopausa, relacionada à naturopatia (o método da medicina alternativa). Essa técnica tem várias contra-indicações e consiste no uso de sanguessugas para o afinamento do sangue nas veias pélvicas.

Para complementar os métodos tradicionais de tratamento de miomas e acelerar a obtenção do resultado desejado, você pode usar uma das seguintes receitas da medicina tradicional:

  • Tintura de peônia. Peony evading (ou marin root) tem um efeito benéfico sobre o sistema nervoso, melhora os processos metabólicos e remove as toxinas do corpo. A planta foi amplamente utilizada para problemas ginecológicos devido às suas propriedades anti-inflamatórias. Para preparar a tintura deve ser de 50 g de raiz seca despeje 0,5 litros de vodka e insistir por 1,5-2 semanas. É necessário tomar o medicamento para a menopausa durante o mês por 3 colheres de chá. por dia (antes das refeições).
  • Tintura Kupchin. O método proposto pelo fitoterapeuta V. Kupchin baseia-se em uma combinação de tais propriedades úteis dos componentes que compõem o produto, como melhorar a função da formação do sangue, normalizando a atividade das células imunes, regulando o funcionamento das glândulas endócrinas. A composio teraptica preparada combinando as tinturas farmacticas a 10% (100 g cada) de Befungina, absinto, calendula, celandine, banana e 0,5 litros de vodka. À mistura são adicionados 300 g de suco de aloe e framboesa. Tome 1 colher de chá. três vezes por dia durante um mês. Repita o curso mais 2 vezes com uma pausa de 5 dias.
  • Caldo de ortilia unilateral. O nome popular para uma erva da família das urzes (o útero) é devido às suas propriedades úteis para o tratamento de doenças ginecológicas. O alto conteúdo de hormônios vegetais na ortilia contribui para o restabelecimento do equilíbrio hormonal perturbado durante a menopausa, e os taninos têm efeito hemostático e regenerador. Para preparar a decocção deve ser derramado 2 colheres de chá. ervas secas com 1 xícara de água quente e deixe ferver em banho-maria por 5 minutos. Solução tensa tomar 1 colher de sopa. l três vezes ao dia após as refeições.

As fases da menopausa

Clímax - um complexo de alterações fisiológicas no corpo de uma mulher após 45 anos, acompanhado por uma perda da função reprodutiva. No período da menopausa, uma mulher passa por três etapas:

I. pré-menopausa - dura até 6 anos. O atraso da menstruação começa, o ciclo é encurtado, torna-se irregular, a descarga diminui. Como resposta compensatória à diminuição do hormônio progesterona, pode ocorrer hiperestrogenismo - aumento da produção de estrogênios (hormônios sexuais femininos).

Ii Menopausa - A fase de cessação completa da menstruação, dura até 3 anos.

Iii. Pós-menopausa. A pós-menopausa precoce dura de 1 a 2 anos. O nível de estrogênio diminui em mais da metade, o que implica:

  • perda de pêlos pubianos,
  • redução do tamanho do útero
  • terminação de descarga mucosa da vagina,
  • o crescimento de tecido adiposo e fibroso na mama,
  • abaixando tom de parede vaginal

Durante a menopausa, os distúrbios fisiológicos e psicológicos são notados.

  • vegetativo - uma sensação de "ondas de calor" (sensação de calor), aumento da sudorese (hiperidrose), hiperemia da pele, palpitações, tonturas, saltos na pressão arterial, sintomas dispépticos,
  • síndrome de hiperventilação (DHW) - falta de ar, sensação de "nó na garganta", peso no peito,
  • dores de cabeça freqüentes e persistentes, agravadas em quartos abafados, com cansaço e fome,
  • distúrbios do sono - sono prolongado, falta de repouso, acordar com frequência, sonolência diurna,
  • A osteoporose é uma violação do metabolismo cálcio - magnésio, que se expressa na diminuição da força óssea (risco de fraturas freqüentes), massa óssea (crescimento reduzido), desnutrição do sistema músculo - esquelético (dor, deformidade),
  • alterações da pele - flacidez, manchas da idade, fragilidade e perda de cabelo,
  • cistouretrite - micção freqüente e dolorosa.

  • asthenic - síndrome neurótica - choro, alterações frequentes do humor, irritabilidade, ansiedade,
  • a depressão é um sintoma frequente da menopausa devido à insatisfação com a aparência, desespero, saudade dos jovens,
  • neurose histérica - o fracasso de uma mulher em aceitar sua condição, a negação do envelhecimento, que se expressa em uma aparência marcadamente brilhante, pretensão ao comportamento, um desejo de atrair a atenção.

O período pós-menopausa continua até o final da vida.

O que acontece com o mioma na menopausa

Os miomas menopáusicos estão associados ao desequilíbrio hormonal. O nível de estrogênio é reduzido, o que leva a uma proliferação mais lenta do endométrio do útero (proliferação de tecido através da multiplicação celular). A resposta é a proliferação compensatória do miométrio - um espessamento da camada muscular do útero, o aparecimento de nós em seus diferentes departamentos.

Os miomas são difusos (o crescimento cobre todo o miométrio, o útero aumenta uniformemente) e o local (nós separados são formados). Um nó de mioma (mioma único) ou vários (múltiplos) podem se formar.

O mioma geralmente começa a se desenvolver muito antes do período da menopausa. Infelizmente, um tumor é diagnosticado apenas com um quadro clínico pronunciado, quando o tamanho é significativamente aumentado e há sintomas característicos.

O aparecimento de miomas durante a menopausa é devido às seguintes razões:

  • reduzindo o nível de hormônios femininos de estrogênio,
  • fator hereditário - o risco de adoecer aumenta se a mãe tiver problemas semelhantes,
  • teoria genética - a formação de células a partir das quais um nó se desenvolve subseqüentemente, ocorre mesmo no nível embrionário,
  • manipulações freqüentes nos genitais (abortos, cirurgias),
  • inflamação dos órgãos pélvicos,
  • doenças sexualmente transmissíveis,
  • estresse
  • metabolismo prejudicado, deficiência de vitamina,
  • vida sexual episódica.

Sintomas e sinais

Cada estágio da menopausa corresponde a certos sintomas de miomas:

  1. No período pré-menopausa é irregularidade menstrualassociada ao desequilíbrio hormonal. Se a idade da mulher corresponder ao climatério, você pode tomar este sintoma pelas manifestações da menopausa. Somente durante o exame revelou a verdadeira causa do sintoma.
  2. Menopausa Se o mioma durante a menopausa continua a crescer, atinge um tamanho considerável, - o peso na pélvis é sentido, dor abdominal, obstipação, micção frequente, hemorragia intensa, fraqueza devido a perda de sangue.
  3. Pós-menopausa. Os miomas podem ser assintomáticos, detectados por acaso, quando se referem a um ginecologista com outro problema.

Os sintomas dos miomas uterinos com a menopausa dependem do tempo de sua ocorrência, do tipo e da localização dos linfonodos.

  • Os nós subsarianos estão localizados na região subperitoneal. Na menstruação pré-menopausa continua. Se o nó estiver irritado pelas terminações nervosas, sente-se dor abdominal, que é permanente. Um nó subseroso em crescimento causa compressão da bexiga (micção frequente), reto (constipação), fluxo linfático e sanguíneo (congestão na pélvis, como resultado - hemorróidas).
  • Submucoso - está localizado sob a membrana mucosa do útero. Difere o sangramento uterino profuso (metrorragia), durante e após a menstruação. Caracterizado por dor abdominal. Os sinais de compressão (compressão) das terminações nervosas são menos pronunciados.
  • Miomas intraligamentares - ligamentares. Sintomas na menopausa - compressão dos ureteres. Difícil de diagnosticar.
  • Difuso - um longo tempo assintomático devido ao crescimento uniforme do útero. Uma mulher percebe que o abdome está aumentado nos estágios finais, quando os miomas se tornam grandes.

O que ameaça a condição

O mioma durante a menopausa pode dar várias complicações:

  1. Metrorragia contínua (sangramento uterino) - com submucosa localização, levando a uma anemia aguda e morte (na ausência de terapia intensiva).
  2. A necrose (morte das células miomatosas) é o resultado da torção da perna de um nódulo de qualquer localização, resultando em circulação sanguínea prejudicada (congestão venosa, trombose aumentada, isquemia).
  3. O estado de "abdômen agudo" causado por necrose - dor aguda, sintomas dispépticos, febre, retenção de urina, gás.
  4. Sintomas de osteocondrose lombar devido à compressão das terminações nervosas da coluna lombossacral por nódulos subserosos das raízes.
  5. Intoxicação como resultado do processo inflamatório em nódulos submucosos, acompanhados de secreções purulentas.
  6. Patologia dos rins devido à compressão dos ureteres com linfonodos intraligamentares.
  7. Malignidade - degeneração em neoplasia maligna (o paciente deve ser alertado pelo crescimento do abdômen sem ganho de peso). Pacientes com nódulos submucosos são particularmente suscetíveis.

A regressão é possível?

  • com hipoestrogenemia (se a terapia de substituição com estes hormônios não for realizada),
  • se os nós são intramurais ou subserosos (outras espécies não regridem),
  • com deterioração da circulação sanguínea nos tecidos uterinos, estimulando o crescimento de miomas,
  • se os nós forem pequenos.

Reconhecer que o mioma é reduzido, é possível após repetidos exames de ultra-som a cada 6 meses. Com uma diminuição persistente nos nós após vários exames, eles dizem sobre a regressão dos miomas.

O tratamento conservador é indicado para:

  • localização intramural, forma difusa de nós com dimensões não superiores a 6 cm,
  • nós subserosos, intramurais, sem complicações associadas,
  • crescimento lento do tumor,
  • a ausência de células malignas
  • ausência de patologia de órgãos vizinhos,
  • condição do paciente com o risco de complicações intraoperativas.

Aplicar terapia hormonal e não hormonal.

O objetivo do tratamento hormonal é alcançar a redução dos miomas. As preparações de progesterona são usadas (como terapia de reposição de estrogênio), antagonistas do hormônio gonadotrófico. A droga de origem vegetal "Chi-Klim" é prescrita como um análogo do estrogênio. Com mioma dependente de estrogênio, "Chi-Klim" é prescrito com cautela. Após o uso de hormônios e regressão tumoral, um novo crescimento é possível um ano após o início do tratamento.

Outros tratamentos:

  • hemostáticos, uterotônicos - para parar o sangramento,
  • antiinflamatórios não-esteróides (AINEs), antiespasmódicos para a síndrome da dor,
  • terapia com vitaminas e microelementos para anemia,
  • sedativos para estabilizar o estado psico-emocional das mulheres
  • tratamento de doenças associadas.

Ao aderir às complicações, a terapia intensiva é demonstrada no hospital, incluindo administração intravenosa de soluções de desintoxicação, antibióticos (com intoxicação), terapia de desidratação, administração de antioxidantes, antiplaquetários (com estagnação, trombose, isquemia), hemostáticos, proteináceos, glandulares e com grande perda sanguínea.

Junto com o tratamento medicamentoso, aplique remédios populares e homeopáticos, após consulta com um médico.

Se o estado de "abdômen agudo" se desenvolveu, a torção de perna de nó, metrorrhia não para por métodos conservadores, é necessário cirurgia .

Outras indicações para cirurgia:

  • tamanhos de myoma são mais de 6 cm,
  • miomas, acompanhados de dor intensa,
  • anemia pós-hemorrágica crônica,
  • compressão de órgãos vizinhos
  • nó submucoso, provocando o desenvolvimento de complicações,
  • crescimento rápido (aumento de tamanho em 2 - 3 semanas em 6 meses),
  • necrose
  • Nós intraligamentares
  • nós frequentemente feridos que crescem a partir da parte vaginal do útero,
  • doenças ginecológicas relacionadas - cisto ovariano, pólipos, prolapso do útero,
  • falta de efeito da terapia hormonal.

Métodos de cirurgia:

  1. Preservação de órgãos (miomectomia) - remoção do nódulo com embolização das artérias uterinas, o que reduz o fluxo sanguíneo e leva à regressão.
  2. Radical Remoção do útero.

A escolha do método depende do tipo, tamanho, localização e presença de complicações.

Mioma após a menopausa pode:

  1. Desaparecer com tamanho pequeno, localização intramural e subserosa, diagnóstico oportuno e tratamento iniciado.
  2. Permaneça inalterado.
  3. Em outros casos, há crescimento adicional do tumor com secreção sanguinolenta.

Isso pode ser devido a:

  • início tardio da menopausa (após 50 anos),
  • hiperplasia, pólipos uterinos, cisto ovariano,
  • grande tamanho de nó
  • localização (nós submucosos intraligamentares),
  • doenças concomitantes (diabetes, hipertensão, obesidade).

O crescimento de miomas na pós-menopausa é uma razão para a realização de estudos instrumentais, a fim de excluir um processo maligno.

  • Ultrassonografia - revela inclusões no útero, sua composição, tamanho, localização. Com localização difusa - o grau de crescimento dos órgãos,
  • Histeroscopia - permite visualizar o útero e fazer uma biópsia para estudar as células.
  • A laparoscopia é um procedimento cirúrgico pelo qual uma cavidade do órgão é examinada através de pequenos orifícios.

Clímax e miomas - infelizmente, muitas vezes relacionados a conceitos. Cada terceira mulher na menopausa revela a formação de miomas de uma ou outra localização.

Com uma atitude cuidadosa para a saúde, exames médicos regulares, a conformidade com as recomendações do médico, mantendo um estilo de vida saudável, você pode evitar o crescimento de nós e superar a doença.

O que é o clímax?

Clímax - são mudanças relacionadas à idade no corpo de uma mulher, o estágio de cessação da função de engravidar, a interrupção do ciclo menstrual. Em outras palavras, uma mulher na menopausa não pode mais ter filhos. Период менопаузы наступает в возрасте от 35 до 65 лет, все зависит от индивидуальных особенностей организма и наследственной предрасположенности. Сам период климакса делится на три стадии:

  1. Pré-menopausa - o ciclo é quebrado, o mensal vem com interrupções.
  2. Climax - mensalmente desaparecem. Existem sinais da menopausa.
  3. Postmenopause - alterações hormonais completamente. Existem mudanças naturais na idade. Os sintomas da menopausa desaparecem. A menstruação está ausente.

O climax é um momento difícil para a maioria das mulheres. Uma falha hormonal ocorre no corpo, causando nervosismo, depressão, dores de cabeça e assim por diante. Terapia de reposição hormonal ajuda a reduzir os efeitos negativos da menopausa. Período da menopausa e miomas podem andar de mãos dadas. Muitas vezes a neoplasia e outros ginecológicos progridem ou regridem após o início da menopausa.

O que é miomas uterinos

As mulheres geralmente têm medo da menopausa e dos miomas. Poucas pessoas sabem o que acontece quando a menopausa ocorre com um tumor intra-uterino, e o que é isso tudo. O mioma é um tumor nodular benigno no útero. Pode ser muito pequeno, até dois centímetros e grande de 6 a 20 centímetros. Tipos de miomas dependem de onde ela está localizada:

  1. Subserous - localizado nas camadas musculares externas do órgão reprodutor, isto é, na área sob o peritônio. O tumor cresce em direção à pelve.
  2. Intermuscular ou intramural - está localizado entre as camadas musculares e cresce no peritônio. Portanto, com este tipo de miomas, o estômago começa a crescer.
  3. Submucoso ou submucoso está localizado sob a camada mucosa do útero.
  4. Costurado ou intraligamentar - cresce entre os ligamentos uterinos.

As causas de miomas uterinos podem ser completamente diferentes, às vezes existem vários fatores, às vezes apenas um. Até o final, os fatores de ocorrência desta patologia não foram estudados, mas os médicos distinguem vários dos mais comuns:

  • desequilíbrios hormonais, geralmente durante a menopausa,
  • fator genético
  • complicações após operações ginecológicas,
  • STI,
  • maus hábitos
  • puberdade precoce
  • ecologia ruim.

Tudo isso leva à formação de nódulos miomas, mas na maioria das vezes eles aparecem durante a menopausa ou no período pré-climático.

Ela mesma durante a menopausa

Se myoma pode resolver durante a menopausa depende das causas e do período de sua formação. É alimentado pelo suprimento de sangue e pode aparecer de um excesso de estrogênio no corpo. Durante a menopausa, a quantidade do hormônio no sangue diminui, e há uma chance de que os miomas possam se resolver ou se tornar menos. Mas nenhum tumor pode desaparecer, por exemplo, submucoso ou interligado pode não mudar em nada. Portanto, o desaparecimento do tumor é provável, mas não garantido.

É perigoso e que

Miomas uterinos com menopausa é um fenômeno freqüente que a maioria das mulheres ignora, especialmente se os sintomas não se manifestarem tão claramente. Mas o tumor não é inofensivo. Pode ser perigoso para a saúde e até para a vida, apesar de ser benigno. Quais são os perigos dos miomas durante a menopausa:

  1. Anemia O sangramento intenso pode levar à anemia. E isso prejudicará significativamente a saúde e até mesmo representará um perigo para a vida se a doença for negligenciada.
  2. A morte de miomas. Em outras palavras, a necrose nodular ocorre como resultado da infecção do nó bloqueando o fluxo sangüíneo ou outros danos. Como resultado, os tecidos morrem e podem causar envenenamento do sangue. Sintomas de necrose: febre, sangramento, fraqueza. A doença pode levar a peritonite ou sepse.
  3. Nó de inversão. Se o nó continua na "perna". Se estiver torcido, haverá dores incômodas, pois durante as contrações, o abdome endurece, pode haver vômito e sangramento intenso.
  4. Transforme o tumor. De uma educação benigna pode se transformar em maligno. Isso é raro, mas é possível, especialmente com uma predisposição genética. Neste caso, o rápido crescimento do tumor, mesmo com a menopausa, sangramento, secreção purulenta com sangue.

Os miomas crescem na menopausa?

As razões para o crescimento de miomas durante a menopausa estão associadas a vários fatores. O crescimento de miomas durante a menopausa pode ocorrer durante a terapia de reposição hormonal, ou se a formação de malignos, ou existem doenças associadas. Por exemplo, endometriose, miometriose, tumores ovarianos. Se os fibromas começarem a aumentar após a menopausa, quando o nível de estrogênio no sangue diminuir, isso pode indicar um processo de transformação em um tumor cancerígeno. Determine que miomas em crescimento podem ser visualmente. Se a barriga cresce e o peso permanece inalterado, então é um fibroma crescente.

O tamanho dos miomas uterinos com menopausa varia. Normalmente, durante a menopausa, os tumores de pequeno tamanho são mais comuns e não necessitam de tratamento. Se o mioma for médio ou grande, deve ser tratado mesmo durante a menopausa. Classificação de tamanho:

  1. Educação pequena - até dois centímetros ou quatro semanas por padrões obstétricos.
  2. De tamanho médio - de dois a seis centímetros ou dez a onze semanas
  3. Grande educação - a partir de seis centímetros e acima. Semanal das doze às quarenta e duas.

Ao selecionar um tratamento, não apenas o tipo, mas também o tamanho do tumor é levado em consideração.

A cirurgia é necessária?

É necessário operar mioma, se houver menopausa ou não, o médico decide. Tudo depende do tamanho do tumor e do seu desenvolvimento. Para pequenas operações, o myoma não é necessário. É suficiente visitar regularmente o ginecologista para o diagnóstico. Mas, se for múltiplo ou maior que seis centímetros, houver sangramento e o risco de degeneração no sarcoma, você precisará remover o mioma cirurgicamente.

Intervenção cirúrgica - tipos

A cirurgia é um método rápido e eficaz de se livrar de tumores miomatosos. Existem vários tipos de cirurgia. Remoção completa do tumor e útero - histerectomia. Remoção de apenas mioma com preservação dos órgãos reprodutivos - miomectomia. Está dividido em três tipos:

  1. Abdominal - quando as formações de não mais que três ou quatro.
  2. Laparoscópica - é realizada para remover os miomas subperitoneais e intermusculares.
  3. Histeroscopia - remoção de tumores submucosos.

Se o tumor está em um estado negligenciado, grande em tamanho ou há muitos deles, há um risco de migração (degeneração em câncer), então a remoção do tumor do útero é indicada. A histerectomia é feita de forma minimamente invasiva através de punções na cavidade abdominal (laparoscopia) ou através de uma incisão aberta na cavidade abdominal.

Regressão do mioma durante a menopausa

Miomas podem regredir com a menopausa se for pequena e for causada por excesso de estrogênio. Ao mesmo tempo, nem precisa passar por um curso de terapia. Neoplasmas intramurais e subserosos podem desaparecer, o resto requer tratamento. Por algumas outras razões, um tumor regressivo aparece:

  1. Realização de terapia de reposição hormonal, suprimindo o estrogênio.
  2. Circulação de sangue prejudicada no útero.

Os estágios da regressão dos miomas uterinos durante a menopausa ainda não foram totalmente estudados, mas como resultado do processo o tumor desaparece completamente, não deixando vestígios na camada endometrial do útero.

Mensalmente durante a menopausa não vai. Uma mulher perde a capacidade de conceber um filho. Primeiro, a menstruação ocorre de forma irregular, com um intervalo de um a dois meses, a alta pode ser abundante ou muito escassa. Isso acontece um ano e dois antes do início da menopausa. Mas com o mioma com o início da menopausa, ainda pode haver secreções que podem ser confundidas com a menstruação. Mas este é um dos sintomas da miomatose.

Qual pode ser a seleção

O mioma durante a menopausa pode dar esse sinal como uma descarga. A descarga com mioma é sangrenta e muito abundante e pode ser acompanhada de dor intensa. Quando esses sintomas ocorrem, a mulher deve consultar um médico para diagnóstico. Quanto mais cedo o tratamento começar, maior o seu sucesso. Além disso, a descarga leva à anemia e a uma deterioração geral da saúde.

É um esporte e o que?

Os médicos aconselham limitar o esforço físico pesado na presença de nós miomatosos. Não levante o peso dos músculos da cavidade abdominal. Mas há esportes que são permitidos e até recomendados se o mioma for pequeno e não houver sangramento.

  1. Natação e hidroginástica. Esse tipo de exercício relaxa os músculos, estimula os intestinos, ajuda a reduzir os nódulos miomatosos. É proibido praticar esportes aquáticos extremos, pular e mergulhar.
  2. Ginástica terapêutica (terapia de exercícios) Estes são exercícios seguros e saudáveis, que precisam ser feitos sob o controle de terapeutas de terapia de exercícios. Eles são selecionados individualmente.
  3. Treino cardio. Esteira, bicicleta ergométrica. O treinamento fortalece os músculos abdominais e os músculos do útero.
  4. Alongamento (yoga, pilates). Válido com miomas até dois centímetros e meio
  5. Yoga e Pilates, que em muitos aspectos consistem em estrias, mas com uma neoplasia de tamanho médio na perna, praticar esportes não é recomendado.

Remédios populares

O tratamento de remédios populares é bastante eficaz para pequenos tumores. Com remédios populares de tamanho médio, pode ser reduzido. Mas, se o tumor é grande, então é melhor não recorrer a esses métodos como uma panacéia.

  1. Tintura com aloe e mel. Aloe - 400 gr. mel - 700 gr. Cahors - 700 m Folhas picadas, misturadas com mel e vinho. Misture bem. Fique em um lugar escuro por cinco dias. Tome 15 gramas três vezes ao dia, meia hora antes das refeições.
  2. Tintura de Borovoy útero. Duas colheres de sopa de grama seca por meio litro de vodka ou álcool. Misture bem e deixe em um lugar escuro por 15 dias. Tome o termo gotas de manhã, tarde e noite por uma hora antes das refeições. Você pode beber água.
  3. Tratamento com querosene. Faça doze cotonetes. Para cada dia de tratamento. O tampão deve estar bem umedecido em querosene, pressionado para não drenar o líquido e entrar
  4. Tampões com bergenia. Duas colheres de sopa de raiz de bergen picado encher meia xícara de água fervente. Insista nove ou dez horas. Em seguida, coe o líquido, e do mingau para tampões de ervas cegos. Não derrame o líquido. Polvilhe de manhã e à noite com caldo Badanov, diluído com meio copo de água (150 ml de água por colher de chá de caldo), e coloque um tampão de ervas à noite. O curso do tratamento é até oito semanas.

Antes, para executar o tratamento com remédios caseiros, é necessário consultar-se com um doutor. Caso contrário, as conseqüências podem ser revertidas e, em vez de benefícios, você causará danos à saúde.

Opiniões sobre Women

Minha menopausa começou e os médicos encontraram mioma. Ela estava em algum lugar dois - dois e meio centímetros, então eles não a tocaram. Apenas medicamentos de suporte foram prescritos para reduzir os sintomas. Então ela se resolveu.

Eu tenho um tumor subseroso. No começo, ela entrou em pânico, mas depois leu as resenhas de outras mulheres na internet e se acalmou. Fui prescrito um curso de drogas hormonais e, seis meses depois, ela regrediu.

E meu tumor estava crescendo ativamente, então eu fiz uma laparoscopia. Não removeu o útero, o que me deixa muito satisfeito. Então ela completou um curso de terapia medicamentosa para que os hormônios voltassem ao normal, e até agora não há desvios. Inspeção passa regularmente.

Pin
Send
Share
Send
Send